segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

LÉSBIANISMO

                              
Porto da cidade de João Pessoa, em Cabedelo

LÉSBIANISMO


Na tarde do dia seguinte, Olavo tinha marcado encontro, num café local, com Clonisse, sobre mais um problema, de suposta infidelidade.
Pensava fazer-se acompanhar de Mirta e apresentá-la, como sua secretária.
Como tinham a manhã ainda livre passaram a manhã na Praia do Amor, depois do tradicional mergulho, descontraíram-se num banho de sol tropical.
Aproveitando a delicia, trocaram muitas carícias, como preparação para, de novo, se envolverem no quarto do hotel.
Assim veio a acontecer, como seria de prever, na hora do encontro com Clonisse, já estavam no café, aguardando-a.
Clonisse não se fez esperar, depois de feitas as apresentações, esta começou a desbobinar.
Tinha passado, como namorada, uns dias em casa de Rúben, na portuária cidade de Cabedelo.
Ao fim dos quais, este acordeonista duma banda de forró, “Clã Brasil”, a actuar no restaurante Felini, em João Pessoa, cidade capital da Paraiba.
Local bastante recomendado a turistas, por menos perigoso, nesta segunda cidade do Brasil, quanto a assaltos de rua.
Clonisse foi explanando razões, a motivar a sua expulsão.
Enquanto isto, não tirava os olhos, tanto de Olavo, como de Mirta.
Olavo tomando notas de tudo, inclusivamente, do endereço e telefone e E-mail do músico.
O trabalho actual da interlocutora, era servir de modelo a grandes pintores e fotógrafos de arte.
Com a posse de todos os dados, afirmou tentar marcar encontro, em Cabedelo com Ruben, para o questionar.
Nisto despediram-se, ficando, novo encontro aprazado, logo passado o dia seguinte, com a informação pretendida.
O casalinho de namorados, voltaram ao hotel onde, entre olhares de cumplicidade e ternura ambos, haviam concluído que Clonisse, além de gostar de viver com homem, seria gay.
A seguir, Olavo conseguiu contactar, telefonicamente, com Rúben, ficando agendada reunião, para a tarde do dia seguinte, na sua própria casa.
Depois de jantarem, seguindo por tempo indeterminado, voltaram, para dormir.
No dia seguinte, deslocaram-se a Cabedelo.
Visitaram a bela zona portuária, depois do que se dirigiram ao encontro.
Após as apresentações, Rúben mostrou ser bom anfitrião, preparando-lhe um dos seus, irrecusáveis manjares de sabor nordestino.
Depois, conversaram sobre o desaguizado.
Era o que Mirta e amado tinham conjecturado, Clonisse ter dado mostras irrefutáveis de também ser gay.
Em novo encontro, foram essas as conclusões, que no dia seguinte Olavo, sem rodeios, transmitiu a Clonisse.
Sem esperar este desfecho, também sem rodeios, esta confirmou.
Investigação dada por terminada, no dia seguinte, no aeroporto de Bayeux, o de João Pessoa, a quarenta quilómetros da cidade, tomaram avião para o Rio de Janeiro.
Dali, em jactinho regressaram, a Angra dos Reis.

Daniel Costa
 

8 comentários:

  1. Olá, Daniel
    Com um bom tom descritivo e muito glamour, o nosso Olavo vai gozando as delícias paradisíacas de Angra dos Reis e arredores... :)
    Agora aparece-lhe uma lésbica pela frente!
    Não tenho nada contra, mas o namorado é que não gostou da descoberta...
    Vá lá, ela aceitou de bom grado, e não fez escândalo. Mas olha, o Olavo tem tido muita sorte (até agora) não lhe ter aparecido pela frente nenhuma barraqueira... é que nesses "negócios" às vezes acontece.

    Pois... cá fico esperando por novo capítulo.
    Até lá, beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Tudo na vida acontece... na do Olavo também.:)

    Bjos.

    ResponderEliminar
  3. A abordagem do homossexualismo feminino quase sempre se torna num tema difícil de ser abordado, mas você o fez com leveza e isso é positivo, amigo. Há que se desmitificar certos tabus da nossa sociedade.
    E o Olavo curtindo a vida adoidado![risos]
    O vídeo é bem maneiro e tem um forrozinho bem gostoso, me fez ficar com saudade da minha terrinha, Alagoas. Quando será que o Olavo vai a Maceió e se banhar nas águas claras das praias de Pajussara?
    Daniel, te adoro, viu?Bjsssss

    ResponderEliminar
  4. Você caminhou por um terreno inesperado (rss). Uma investigação cujo resultado a contratante, por certo, imaginava, pois não se desesperou. A vida é assim mesmo, nem sempre os detetives concebem, de imediato, as razões do fim de um caso de amor. E Olavo foi bem perspicaz, desde logo.

    Bjs.

    ResponderEliminar
  5. Olá Daniel,

    Você sumiu, mas um passarinho me contou que havia um novo capítulo aqui.
    João Pessoa é um lugar encantador. Já estive lá num período de férias.
    Neste capítulo você inovou, apresentando um caso de homossexualismo feminino, que aliás, foi prontamente desvendado pelo perspicaz detetive Olavo.

    Tenha um ótimo domingo.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  6. Querido amigo,


    O fato comprovado ficou interessante neste capitulo de Olavo. Adorei o comentário da amiga Mariazita ( dei boas risadas). Para Olavo são " ossos do ofício". A amiga Vanuza fez excelente comentário sobre a abordagem homossexual.


    Beijos com carinho amigo.

    ResponderEliminar
  7. Estimado Amigo:
    Um texto bem retratado da problemática homessexual que aceito e tolero, mas não me diz nada. Jamais pensaria em tal. Considero-me Homem com H.
    A sua capacidade de excelência literária criou uma história admirável, interessante e que daria um bom livro. Eu nunca o faria por não me identificar com esta causa.
    Creio prender-se com uma questão de educação assente em valores e princípios de "normalidade" do ser humano universal masculino e que aprecia a mulher em todos os seus mais intensos e sensíveis aspectos de beleza, pureza, fascínio e encanto.
    Abraço de respeito pela sua capacidade criativa.
    Com respeito e admiração constante.

    pena

    MUITO OBRIGADO pela sua fabulosa visita no meu blog.
    Bem-Haja, amigo.

    ResponderEliminar
  8. Daniel,
    o detetive Olavo e a personagem, construção inusitada numa história interessante, com uma abordagem delicada, o que a tornou ainda mais interessante.

    Obrigada pela visita lá no Humoremconto.
    Abraços!

    ResponderEliminar