terça-feira, 12 de setembro de 2017

AGRICULTURA, OU AGRONEGÓCIO , VOCAÇÃO DO BRASIL

Foto de Daniel Cordeiro Costa.

AGRICULTURA, OU AGRONEGÓCIO, VOCAÇÃO DO BRASIL

No princípio toda a economia do espaço, que se havia de alargar, aodar–se início à colonização do Brasil, foi baseada no que hoje podemos de chamar de agronegócio.
Sabendo-se que, este representa hoje, 23% do PIB – Produto Interno Bruto do Brasil, segundo o IBGE - Instituto do Brasil de Geografia e Estatística, tudo faz encaminhar os destinos económicos nesse sentido.
Convém realçar que Miguel Foz tem também morada temporária, na cidade de João Pessoa, Cabo Branco, Paraíba, junto ao sítio em que, carinhosamente, os poderes instituídos, estabeleceram a chamada Jampa, orgulho dos extremamente barristas, habitantes da cidade.
É ali o seu posto de observação e estudo do País, que se habituou a amar.
Partindo do princípio do crescimento desta produção, no grande Brasil, que este está entre os países de maior suporte económico do, mundo, advindo do Agronegócio.
A área plantada cresceu cerca de 53%.
Pergunta-se então, como se explica, como em João Pessoa, além de se ter de recorrer, na generalidade, parasse de prover à alimentação das de todas as pessoas (só aqueles a que poderia chamar de indigentes), aquilo se convencionou chamar de RESTARANTE POPULAR, onde por menos de um Real, é o preço a pagar por um almoço completo.
Que só haja restaurantes tipo Buffet?
Citam-se restaurantes, como SAL E Brasa ou MARÉ ALTA, no Bessa e Manaíra, respectivamente, de grande reputação.
Sabe-se que, na maioria dos casos, produtos há de reprodução perene:
- Agora a pergunta fica no ar, posto isto,  onde está a qualidade de vida a que qualquer cidadão tem direito?
Para onde os governantes canalizam os milhões da economia?
- Para o saco da corrupção?
Fica o exemplo de apenas uma Unidade Federativa, mas que dizer das restantes?
Veja-se outro exemplo da má gestão de governação, Rio de Janeiro – RJ, cujo descalabro é enorme, neste ano de 2017, onde nem os policiais, menos outras corporações de funcionários públicos, recebem os seus vencimentos no fim de cada mês.
Que credibilidade se pode ter nos políticos eleitos?
- Zero!...
- Como dizia, na sua comicidade, Jô Soares numa rábula, in programa televisivo “Planeta dos Homens”, da TV Globo, no fim do passado século XX.
Quer dizer; os mesmos desiludiram, os eleitores, que com o seu voto, esperavam deles a contrapartida de boa governação.
Como se explica que já em pleno século XXI, grande parte dos assalariados, tenham o seu vínculo apenas diário?
Que governo é este que nem ao menos tem Ministério do Trabalho, curador de leis adequadas, para que este se movimente numa base tendente ao moderno progresso, de um dos maiores países do mundo, com o é o Brasil?
Quer dizer o Brasil é grande, mas está a ser governado por mentes de pigmeus, que apenas mostram querer saber uma empírica ciência de corrupção!...
Ora é o trabalho o grande motor do progresso, modernamente, estudado por Karl Max, por Emile Durkaim ou Max Weber.
Três sociólógos cientistas europeus, que deixaram ao mundo, estudos sobre as leis do trabalho, da organização social, que já não podem, nem devem ser ignorados por qualquer “staff” governativo, sobretudo no mundo ocidental.
Devemos crer que também partirá de uma forte emigração, no Brasil há uma forte corrente migratória que se tornou contínua, uma diáspora brasileira, mais um fertilizante a fazer germinar o Brasil – País do Futuro.
Depois, que fique sempre a lembrança que o Brasil de hoje tem muito do sangue de nobreza do sueste da Ibéria, por isso, Portugal e Brasil se dizem PAÍSES IRMÂOS.

Daniel Costa


sábado, 2 de setembro de 2017

SOLIDARIEDADE - A GAZUA DO FUTURO

Foto de Daniel Cordeiro Costa.
Foto de Daniel Cordeiro Costa.

SOLIDARIEDADE - A GAZUA DO FUTURO

Qualquer governo terá sucesso, se as medidas a implementar tiverem em vista a solidariedade com todo o povo.
Como o povo, ao contrário de que se possa pensar, em votação seguinte, privilegia sempre a governação do grupo, que mostra querer encaminhar o País, o Estado, em trilhos de elevação económica.
Afinal, é a economia a estrada que conduz ao progresso de qualquer Nação.
Cabe ao núcleo governativo estabelecer leis gerais. Desde que essas beneficiem a sociedade, esta saberá agir na sua própria elevação.
É dessa elevação: de elevação em elevação que a grandeza do futuro, um futuro mais brilhante se alcançará.
O actual estado de tudo, e em toda a parte do Brasil, é um verdadeiro caos de degradação: quer na saúde, nas finanças públicas e concomitantemente, toda a área financeira, na lei, na economia, tudo fruto de uma corrupção, pode dizer-se generalizada, que atingiu um nível elevadíssimo, a fazer fé em muitas fontes.
Pelo menos, há muitos ex- e governantes em processos de julgamento, ou sob o atento olhar da justiça a quererem manter o poder.
Acontece até com políticos ex–governantes a quererem candidatar-se a altos cargos da governação.
É o povo votante, que tem de esperar que dele mesmo, saiam génios, ou algum génio, para encetar um governo novo, sem qualquer interveniente de governos anteriores, que tão má conta deram e ainda estão a dar dos altos cargos que desempenham, perante tantas riquezas que de que dispõem, para extrair e distribuir.
Gente nova, que comece por apresentar, modernidade nas próprias salas de trabalho, dos seus próprios partidos, ou grupos.
Depois o “negócio” corrução envolve números, cujos mapas, ainda que, de certo modo aleatório, estarrecem qualquer observador.
Ainda que na 5ª. Maior extensão territorial do mundo, o capital que tem servido os da alta corrupção seria o suficiente, para um investimento condigno daquele grande Pais Sul-Americano capaz de, economicamente, o conduzir a ombrear com os Estados-Unidos da América do Norte.
Diz bem Miguel Foz; “capaz de, economicamente, depois de várias gerações, poder vir a ombrear com os EUA”. Isto, que fique claro, não é utopia.
De qualquer modo a utopia, hoje só existirá até que algum sonhador tenha a coragem de encetar, um modo para a sua realização.
As várias dezenas de sociólogos brasileiros, que prestem um grande serviço ao seu povo; abraçando o assunto, abrindo caminho a que, algum ou alguns génios da política, afim-de constituir-se um grupo que aposte na inovação, enquanto se solidariza com o seu povo, no sentido de formar um apoio global, para uma governação eficaz.
Que se ponham os meios de produção ao serviço do povo, e não a serviços inconfessáveis, só de alguns, parasitas, do desenvolvimento da sociedade.

Tenhamos a certeza, a corrupção jamais servirá a política, esta sim, por uma corja destes, pode ser posta ao seu serviço.
O desenvolvimento social, cultural e económico, só pode avançar para níveis razoáveis, se todo um povo for beneficiado. Só uma maior destreza mental pode distinguir alguém, não a falta de dignidade, a qualquer preço.

De uma sondagem publicada em Agosto de 2017:

- “Quase todos os brasileiros (94%) admitem que não se sentem representados pela classe política, numa altura em que falta pouco mais de um ano para a realização de eleições presidenciais e para o Congresso”

Em redes sociais, há já, em andamento um movimento, chamado
RESISTÊNCIA BRASIL, que vem usando o “slong” seguinte:

- “AJUDE NA LUTA CONTRA A CORRUPÇÃO! VAMOS LUTAR PARA QUE TODOS POLÍTICOS E PESSOAS ENVOLVIDAS COM CORRUÇÃO SEJAM AFASTADAS E PUNIDAS”.

Daniel Costa