sexta-feira, 24 de março de 2017

MATO GRASSO E MATO GROSSO DO SUL

Resultado de imagem para imagens de mato grosso
Resultado de imagem para imagens de mato grosso

MATO GROSSO E MATO GROSSO DO SUL

Aleixo Garcia veio a ser o primeiro europeu a desbravar área, que viria a constituir o estado de Mato Grosso.
Tendo sido náufrago da esquadra de Juan Diaz de Solis, em 1525 atravessou a “mesopotâmia” (entre rios) formada pelos rios Paraná e Paraguai, na frente de uma expedição de cerca de 2.000 homens, avançando até à Bolívia.
Na volta, com grande quantidade de prata e cobre, Aleixo Garcia foi morto por índios paiaguás.
Sebastião Caboto em 1526, também penetrou na região, subindo o Paraguai até alcançar o domínio dos guaranis, com os quais travou relações de amizade e de quem recebeu, de presente, peças de metais preciosos.
Pelo célebre Tratado das Tordesilhas, o actual estado do Mato Grosso, e o, ora Mato Grosso do Sul, pertenciam à Coroa espanhola. Os jesuítas ao serviço da Coroa de Espanha, criaram os primeiros núcleos, donde viriam a ser expulsos pelos bandeirantes paulistas em 1680.
Fantásticos relatos sobre imensas riquezas do interior sul-americano, acenderam ambições de espanhóis e portugueses. Estes a partir de São Paulo lançaram-se em audaciosas incursões, nelas preparavam índios e alargaram as fronteiras do Brasil.
As bandeiras paulistas, chocaram com tropas espanholas do cabildo de Assunção e com resistência das missões jesuíticas.
Desde 1632, os bandeirantes conheciam, de passagem, onde os jesuítas tinham localizado as suas reduções de índios e que os espanhóis percorriam como terra sua.
António Pires de Campos, em 1672, chegou criança, com a bandeira paterna às, depois, famosas minas dos Martírios.
Já adulto retomou o caminho da serra misteriosa e navegou contra corrente, os rios Paraguai e São Lourenço, Cuiabá acima até ao Porto de São Gonçalo Velho, onde se chocou com os índios caxiponés
Em 1718, a descoberta do ouro acelerou o povoamento.
Para garantir a nova fronteira, em 1748, Portugal criou a capitania de Mato Grosso, ali construiu eficiente sistema de defesa.
Uma expedição de bandeirantes chegou ao Rio Piranhas, em busca dos índios caxiponés, descobrindo ouro nas margens do rio, pelo que alteraram o objectivo.
Em 1719 formando o primeiro grupo populacional, organizado nas margens do rio Coxipó, foi fundado Arraial da Forquilha, a actual cidade de Cuiabá.
A região de Mato Grosso estava subordinada a Rodrigo César de Menezes.
A capitania de Mato Grosso, veio a ser criada pela Coroa portuguesa em 9 de Maio de 1748, desmembrada do território da capitania de São Paulo.
O governador muda-se para o arraial e de imediato o elevou a nível de vila, que denominou Vila Real do Bom Jesus de Cuiabá.
Com os tratados de Madrid e Santo Ildefonso, os Reinos de Espanha e Portugal estabeleceram as novas fronteiras.
A notícia de índios descuidados e pouco ariscos espalhou-se e em 1718 um bandeirante de Sorocaba, Pascoal Moreira Cabral Leme, descendente de índios, subiu o rio Caixipó, até à aldeia destruída dos coxiponés, onde deu início à rancharia de uma base de operações.
Cabral Leme descobriu abundante jazida de ouro. A caça ao índio deu vez à mineração.
Luís de Albuquerque de Melo Pereira e Cáceres, governador entre 1772 e 1789, teve a iniciativa de reforçar o esquema defensivo da capitania. Na margem do Rio Guaporé. O Forte Real do Príncipe da Beira e no sul sobre o Rio Paraguai, abaixo do Rio Miranda, o Presídio Nova Coimbra.
Fundou a Vila Maria (tarde São Luís de Cáceres), Casalvasco, Salinas e Corixa Grande.
Criticou Severamente o tratado de Santo Ildefonso (1777), no tocante ao Mato Grosso, por achar que tinha concessões prejudiciais a Portugal.
No levantamento cartográfico e na delimitação de fronteiras, teve a participação de dois astrónomos e matemáticos brasileiros recém- formados em Coimbra, Francisco José de Lacerda e Almeida e António da Silva Pontes e dos geógrafos, capitães Ricardo Francisco de Almeida Serra e Joaquim José Ferreira.
Caetano Pinto de Miranda Montenegro, o futuro Marquês da Praia Grande, chegou a Cuiabá em 1796, assumindo o Cargo de capitão-general com um plano de defesa que protegesse a capitania de qualquer tentativa de invasão.
Realmente a guerra com os espanhóis veio a deflagrar em 1801, quando Lázaro de Ribera, à frente de 800 homens atacou o Forte de Coimbra, que Ricardo Franco defendeu, apenas com 100 homens, conseguiu repelir.
A paz, veio a ser firmada em Badajoz a 6 de Maio de 1802, ficando a capitania estabilizada.
No fim do período colonial verificou-se certo declínio da capitania. Cuiabá e Vila Bela entretanto, haviam sido elevadas a cidades.
Mato Grosso, tem a bebida típica tereré, que é seu património imaterial, sendo Mato Grosso do Sul, o estado símbolo dessa bebida e maior produtor de erva-mate de que deriva a bebida, de origem pré-colombiana.
A capital de Mato Grosso é Cuiabá e do Mato Grosso do Sul, Campo Grande.

Daniel Costa


3 comentários:

  1. Tem lugares belíssimos!!!!

    Que lindas especialmente a primeira, amei o tom!

    Beijinhosss ♥
    Blog Resenhas da Pâm

    ResponderEliminar
  2. Mais uma vez, aqui vim ler a sua lição de História. Desta vez sobre Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. "Fantásticos relatos sobre imensas riquezas do interior sul-americano, acenderam ambições de espanhóis e portugueses". Pois é amigo Daniel. Nada é por acaso...
    Um bom fim de semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  3. Estou reestudando a história do Brasil, agora mais sintetizada, mas com muita substância, estilo Daniel Costa. Estou achando ótimo!
    Beijo, amigo.

    ResponderEliminar