sábado, 18 de março de 2017

CIDADE DE VITÓRIA DO ESPÍRITO SANTO

Foto de Daniel Costa.
Foto de Daniel Costa.
CIDADE DE VITÓRIA DO ESPIRITO SANTO
Como já foi dito, devido à constância de ataques de indígenas, de franceses e de holandeses, a capital da capitania, fundada em 8 de Setembro de 1551, foi mudada para a Ilha de Santo António (a que o índios chamavam Ilha de Guanaani),
Só posteriormente, a cidade teve o seu nome mudado para Vitória, em memória da grande vitória obtida por Vasco Fernandes Coutinho, na batalha contra os índios goitacás.
A cidade foi sendo construída nas partes altas, o originou várias ruas estreitas. Como a parte de baixo foi sendo sujeita a ataques, devido a isso, foram construídos vários fortes à beira mar.
Em 1592, os capixabas rechaçaram uma investida de Ingleses, comandados por Thomás Cavendish.
Em 1625, o donatário Francisco Aguiar Coutinho, enfrentou a primeira investida dos holandeses, que Pieter Pieterszoon Heyn, comandou, nela se destacou a heroína capixaba Maria Hortiz.
Em 1640, sete navios holandeses atacaram, novamente, o Espirito Santo, comandados pelo coronel Koin. Conseguiram desembarcar 400 homens, mas foram repelidos pelo capitão-mor João Dias Guedes e não se fixaram em Vitória.
Atacaram, então Vila Velha, onde também foram vencidos.
Diante de tão repetidos ataques, o governo colonial resolveu destacar para Vitória, quarenta infantes da tropa regular.
Essa a capitania progride e Koin, captura duas naus carregadas de açúcar que, atingidas pelo fogo de terra, acabam de ficar com a carga avariada.
Nos primeiros tempos, esgotada a população, bem como a incapacidade de dar seguimento à sua, ainda, incipiente agricultura, ameaçava desertar da capitania. Também os recursos particulares estavam a revelar-se insuficientes para manter empresa tão árdua, quanto onerosa.
Em 1627, morreu Francisco de Aguiar Coutinho, cujo sucessor, Ambrósio de Aguiar Coutinho, desinteressou-se do senhorio e continuou como governador nos Açores.
Sucederam-se capitães-mores, com sérias e frequentes divergências entre eles e os oficiais câmara.
Em 1667, António Luís Gonçalves da Câmara Coutinho, último descendente do primeiro donatário, conseguiu a nomeação para capitão-mor de António Mendes Figueiredo, governante operoso e estimado.
Em 1674 deu-se a compra do território ao último donatário da família Câmara Coutinho, pelo fidalgo baiano, Francisco Gil de Araújo, por quarenta mil cruzados que, carta régia de 18 de Março de 1675 confirmou.
O objectivo do novo donatário com a compra da capitania: o descobrimento de “pedras verdes” – esmeraldas saiu frustrado. Está menos nos resultados, que na dinamização do interesse pela área com um maior conhecimento do interior.
Entre as expedições mais destacadas, contam-se as de Diogo Martins Cão, 1596, Marcos de Azevedo, 1611 e Agostinho Barbalho de Bezerra, 1664, que exploraram as imediações do rio Doce.
Francisco Gil de Araújo fundou a vila de Nossa Senhora de Guarapari e construiu os fortes do Monte do Carmo e de São Francisco Xavier. O de São João que, encontrado em ruínas foi reconstruído.

Daniel Costa


2 comentários:

  1. A cidade de Vitória. Muito bela e cheia de História. Obrigada, Daniel por mais esta lição.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  2. Graças por tanta informação sobre o Brasil

    Beijinho

    ResponderEliminar