quinta-feira, 10 de novembro de 2016

ALAGOAS E O PLANALTO

Resultado de imagem para IMAGENS DE ALAGOAS
Resultado de imagem para IMAGENS DE ALAGOAS
ALAGOAS E O PLANALTO

Reconhecida desde as primeiras expedições portuguesas, a costa do actual Estado de Alagoas, desde cedo, foi também visitada por embarcações de outras nacionalidades, para escanto do pau-brasil.
Alagoas aquando da instituição de Capitanias Hereditárias foi integrada na de Pernambuco, a sua ocupação remonta à fundação da vila do Penedo em 1545, pelo donatário Duarte Coelho Pereira, que incentivou a fundação de engenhos na região, nas margens do rio São Francisco.
Região celebrizada, por ter palco do naufrágio da nau Nossa Senhora da Ajuda e posterior massacre dos sobreviventes, entre os quais o bispo dom Pero Fernandes Sardinha, pelos caetés, em 1556. O episódio serviu de justificação para a guerra de extermínio desse grupo indígena pela Coroa portuguesa.
No início do XVII século, para além da lavoura de cana-de-açúcar, a região de Alagoas já tinha expressão como produtora regional de farinha de mandioca, tabaco e peixe seco, consumidos na Capitania de Pernambuco.
Durante as invasões holandesas do Brasil, de 1630 a 1654, o seu litoral tornou-se terreno de violentos combates, multiplicaram-se os quilombos no seu interior, os africanos evadidos dos engenhos de Pernambuco e da Bahia.
Palmares, o mais famoso chegou a contar, com vinte mil pessoas, no seu apogeu.
Os quilombos constituíam locais de refúgio de escravos africanos e afrodescendentes, em todo o continente americano. Eram entendidos pelo Conselho Ultramarino, do governo português em 1740, como todo o agrupamento de negros fugidos que passesse de cinco.
A comarca de Alagoas, constitui-se em 1711, sendo desmembrada da Capitania de Pernambuco, por decreto de 16 de Setembro de 1817, em consequência da revolução pernambucana daquele ano.
Foi o seu primeiro governador, Sebastião Francisco de Melo e Póvoas, assumindo a função a 22 de Janeiro de 1819.
Barra Grande terá sido o primeiro ponto do Território de Alagoas visitado por descobridores europeus, por ocasião da viagem de Américo Vespúcio em 1501. Embora não haja qualquer referência àquele porto, excelente para acolher navios. Como a expedição vinha de norte para sul, pode crer-se que o primeiro contacto com a terra alagoana tenha ocorrido ali.
Vespúcio assinalou um rio a que chamou São Miguel. A 4 de Outubro denominou São Francisco o rio então descoberto, actualmente limite de Alagoas com Sergipe.
Nas décadas seguintes os franceses andaram pela costa alagoana, no tráfico do pau-brasil. O porto do Francês documenta a presença daquele povo.
Em 1570, em segunda bandeira enviada por Duarte Coelho, comandada por Cristóvão Lins, explorou o norte de Alagoas, onde fundou Porto Calvo e cinco engenhos, dos quais ainda existem dois. O Buenos Aires e o Escurial.
Neste, repousou em 1601, o corsário Inglês Anthony Knivet, que viajara por terra após fugir da Bahia, onde estivera prisioneiro dos portugueses.
Quão é importante fazer-se uma reflexão, sobre a expansão marítima de Portugal, pela lógica da dinâmica criação do reino, por D. Afonso Henriques.
Portugal com a sua origem, como pais, no Condado Portucalense, devido a estar afastado dos centros de decisão, politica, da cristandade europeia, então vigente, na primeira dinastia, foi conquistando terras aos moiros, rumando ao sul.
Chegado ao Algarve e consequentemente ao mediterrânio, estavam traçadas as fronteiras do país.
Porém, as elites constituídas pelos fidalgos, a irrequietude de espirito, a que não seria alheia uma crescente demografia, iam ditando que as fronteiras se estabelecessem para além do oceano, dado este ser patente, em metade do país.
Tudo isso explica a expansão ultramarina, de que o Brasil foi paradigma.
Era nisto que Teodósio de Mello meditava, enquanto ia pensando no quanto os portugueses foram vencendo todos de obstáculos.
Só assim se explica que o Brasil, na sua extensão, seja hoje um grande espaço da lusitanidade, que a todos deve orgulhar, já que a nossa pátria é a nossa língua.

Daniel Costa






6 comentários:

  1. Belas palavras Daniel e as fotos são encantadoras.
    Não conheço Alagoas,mas ainda irei conhecer se Deus quiser.
    Bjs e obrigada pela visita.
    Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  2. Muito bom, Daniel. Li com imenso gosto. Obrigada.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  3. Ainda custa a acreditar como é que os portugueses conseguiram dominar tão grande território, de que Alagoas é mais um exemplo. Que eu não conhecia em detalhe como o que aqui é narrado.
    Boa semana, caro amigo Daniel.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  4. Pois é, Daniel, minhas vindas constantes qui neste espaço, que dedicas ao Brasil, tenho aprendido e, em outros momentos, revisto a nosso História. Venho, portanto, para rever e aprender, como aconteceu com esta excelente postagem - ALAGOAS E O PLANALTO -, com duas belas fotos, a primeira com a arquitetura portuguesa, que herdamos, e a segunda com a cidade e a belíssima praia. Parabéns, amigo.
    Grande abraço.
    Pedro.

    ResponderEliminar
  5. Olá, Daniel, sempre aprendendo e revendo nossa história através de seus estudos! Essa postagem está belíssima.
    Aplaudo você, amigo! E agradecendo como brasileira esse seu empenho maravilhoso.
    bjs

    ResponderEliminar
  6. Ola Daniel,
    Mais uma vez você mergulha na historia brasileira de uma
    maneira fantástica. Muito bom.
    Só para ilustrar
    O quilombo foi dominado somente em 1695, após a investida militar do bandeirante Domingos Jorge Velho. Em 20 de novembro, Zumbi foi emboscado e morto.
    Dia da Consciência Negra
    Todo dia 20 de novembro (dia da morte de Zumbi dos Palmares) comemoramos o Dia da Consciência Negra. A data é uma referência e homenagem à Zumbi dos Palmares e a todos os negros que resistiram bravamente à escravidão.
    Um beijo



    ResponderEliminar