domingo, 21 de agosto de 2016

MINAS GERAIS - BANDEIRANTES


MINAS GERAIS - BANDEIRANTES

A maior parte da história do estado de Minas Gerais, sem dúvida, foi determinada pela riqueza mineral do território.
O seu próprio nome provém da quantidade, sobretudo, da variedade presente, de minas que são exploradas, desde o século XVII.
Isto observado, por Teodósio de Mello, que em jeito de explorador, há muito decidira desvendar mais, sobre a cultura do Brasil, após a descoberta, oficialmente, pelo navegador português Pedro Álvares Cabral.
O corredor – São Paulo – Rio de Janeiro, no âmbito da colonização, intrigava-o porquanto, saia da zona costeira, onde navegadores continuavam a aportar e onde iam travando batalhas para expulsar e travar pretensões a usurpações, de navegadores de outros países.
Em virtude desta maquinação, munido de vastas informações a propósito, decidiu se fazer presente no terreno, viajando até à cidade de Ouro Preto, a Capital Colonial, da capitania de Minas Gerais.
Mais de cem grupos de indígenas, do tronco linguístico macro-jê, como xacribás, maxacalis ou aranãs,  habitavam, ocupando, o território até ao século XVI.
Décadas depois do descobrimento do Brasil, passaram a ser visados a servir como escravos, sendo capturados, pelos Bandeirantes, para os usarem nas suas fazendas ou para serem vendidos.
Os que resistiam, revoltando-se eram, pura e simplesmente, exterminados.
Teodósio de Mello ficou assim ciente que a criação do estado de Minas Gerais foi obra dos Bandeirantes.
Então é necessário saber quem são e como surgem estes bravos colonizadores.
Bandeirantes é a denominação dos sertanistas do período colonial, que a partir do século XVI, que em boa parte contribuíram para a expansão territorial do Brasil, além dos limites exarados no Tratado das Tordesilhas.
Ocuparam o Centro Oeste e o Sul do Brasil e foram os descobridores de ouro em Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso.
Os Bandeirantes seriam descentes de primeira e segunda geração de portugueses em São Paulo, havendo também descendências variadas, como de galegos, castelhanos e cristãos novos e outros casos diversos.
Minoritariamente, as suas tropas, também eram compostas de índios escravos e aliados, chegando normalmente, no máximo a vinte por cento, executando tarefas secundárias.
]Os clérigos continuaram a fazer parte, a fé estava sempre presente.
A maioria andavam descalços, geralmente levavam como equipamento, botas e alpargatas,  feitas de couro, coletes, armaduras e outras armas como as espadas.
Os mais famosos Bandeirantes nasceram no que hoje é o estado de São Paulo.
De certo modo, foram os responsáveis pela conquista do interior e extensão para além do limite do Tratado das Tordesilhas, do acordo entre os reinos de Portugal e de Castela.

Robert Southey observou a propósito:
Enquanto os espanhóis, no Paraguai, deixaram-se ficar onde os pusera Irala, tratavam de resto as descobertas que os primeiros conquistadores haviam feito, indiferentes viam perder-se cobertas de nova vegetação as picadas que estes tinham aberto, e quase esqueciam os hábitos e a própria língua da Espanha, continuavam os brasileiros, por dois séculos, a explorar o país ; meses e anos passaram estes obstinados aventureiros pelas florestas e serranias a caçar escravos ou a procurar ouro e prata, seguindo as indicações dos índios. E afinal, lograram assegurar-se a si e à casa de Bragança, as mais ricas minas, a maior extensão da América do Sul, de toda a terra habitável, a região mais formosa

As bandeiras de prospecção nasceram no final do século XVII.
Na década de 1690 foi descoberto ouro nas Serras de Minas, o então chamado Sertão de Cuieté, hoje o estado de Minas Gerais.
A interiorização do povoamento deu origem a esta capitania, separada da de São Paulo na década de 1720.
Por intervenção dos Bandeirantes, outras se seguiram.

Daniel Costa



11 comentários:

  1. Mais uma lição de História, meu amigo. É bom recordar consigo...
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  2. Que beleza e riqueza de detalhes nos trazes,Daniel! v abração,linda semana,chica

    ResponderEliminar
  3. Que lindo Daniel!
    Como diz a amiga Chica,que riqueza em detalhes para que possamos apreciar as maravilhas de Minas Gerais.
    Bjs e obrigada pela visita.
    Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  4. OI DANIEL!
    UMA BELEZA, ENRIQUECEMOS NOSSO CONHECIMENTO SOBRE AS COISAS DE NOSSO BRASIL, ATRAVÉS DE TEUS ELUCIDATIVOS TEXTOS.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  5. Oi Daniel!
    Muito conhecimento por aqui. Minas Gerais Estado que eu adoro. Sempre que posso, dou um pulinho pra lá. Minas faz divisa com meu Estado. Espirito Santo. Época de verão as praia do ES fica repleta de mineiros. Adorei a postagem Daniel!
    Abração!

    ResponderEliminar
  6. Interessante saber mais sobre o Brasil.

    A colonização , toda ela, foi tão dura para as populações locais....

    Bom resto de semana

    ResponderEliminar
  7. Ola Daniel,
    Muita historia por aqui.
    O Brasil é muito rico de tudo
    principalmente de historias.
    Conheço bem Minas pois passei minha infância
    numa fazenda em Santa Barbara perto das estações das águas, São lourenço,Caxambu e Lambari.Era uma fazenda antiga, derrubada pelo patrimônio historico.
    Muito legal estar lendo seus textos de Minas.
    Boa quarta.

    ResponderEliminar
  8. Meu caro Daniel, gostei muito do que li sobre a colonização brasileira (“Minas gerais – Bandeirantes”), que, além do correto texto, apresenta duas imagens que nos colocam naquela época. Aqui ficamos conhecendo um pouco mais da História brasileira.
    Grande abraço.

    ResponderEliminar
  9. Meu caro Daniel, gostei muito do que li sobre a colonização brasileira (“Minas gerais – Bandeirantes”), que, além do correto texto, apresenta duas imagens que nos colocam naquela época. Aqui ficamos conhecendo um pouco mais da História brasileira.
    Grande abraço.

    ResponderEliminar
  10. Mais uma lição de História, que eu desconhecia no pormenor.
    Um abraço, caro amigo Daniel.

    ResponderEliminar
  11. Muito boa a tua didática, Daniel. Sempre muito bom recordar nossa história com outros detalhes.
    Beijo, amigo.

    ResponderEliminar