quarta-feira, 15 de agosto de 2012

LISBOA DO FADO



LISBOA DO FADO

De regresso, de novo, ao apartamento de Angra dos Reis, Olavo reviu, o seu computador, o seu mundo de trabalho, ali viu ter de voltar a Lisboa.
Na capital do que chegou a ser o maior império do velho mundo, uma nova cliente, de seu nome, Vanessa, pretendia contratar os seus serviços.
Com Mirta agarradinha ao seu pescoço, depressa a preveniu que, no dia seguinte viajaria para Lisboa.
Do mesmo modo, pelo MSN, avisou a amada Vera.
Em Angra dos Reis, Mirta não se coibiu, de passar a noite a demonstrar o amor que lhe dedicava.
Olavo sabia ter uma boa figura de homem e ao mesmo tempo pensava:
- Ter o que se pode chamar de; sorte com mulheres e seus amores.
No dia seguinte era recebido, na sua casa, em Lisboa, por sua verdadeira amada Vera.
Só ao outro dia o Inspector policial, reiniciava o seu trabalho, no escritório local.
Dentre os variados casos, de menor importância, lá estava o apelo de Vanessa.
Pedia uma reunião com ele, para o que deixara número de telemóvel, afim de tornar o contacto rápido.
O que Olavo fez a seguir.
No éter, uma voz doce o atendeu.
Desejava ser recebida a seguir, para o que ficou logo marcado um almoço de reunião no grande Centro Comercial Colombo, para o Inspector ficar ao corrente do que a afligia.
Na hora marcada, num bom restaurante, que Olavo escolhera, de antemão e indicara,
chegava Vanessa, uma presença feminina, muito altiva, enquanto interessante.
Depois de lida a carta gastronómica e os pedidos feitos, esta entrou logo no assunto que a preocupava e a levara a pedir a intervenção de Olavo:
- Era o seguinte: seu marido, o Adolfo, a poucos anos do casamento, parecia ter perdido o interesse por ela!
O interlocutor, apenas fez um grunhido, um hummm!
A seguir pediu dados, do Adolfo e do seu comportamento presente.
Além destes, ficou a saber que muitas vezes à noite, tinha reuniões de trabalho, no Europa Bar, um espaço lisboeta, com bastante animação cultural.
Depois foi pedida foto de Adolfo.
Pedido logo satisfeito, por bastante lógico.
No fim, Olavo prometeu, dar inicio à investigação, do caso logo nessa noite.
O Centro Colombo, é um centro comercial de lazer e muito visitado.
Está localizado, junto à Avenida Lusíada e à Segunda Circular.
Junto ao edifício, há terminal da autocarros e estação de Metro.
O Centro foi inaugurado em Setembro de1977.
A arquitectura do espaço e a sua decoração original, foram adaptadas à época dos Descobrimentos Portugueses, um dos períodos mais importantes da História d Portugal.
As praças e ruas do seu interior têm nomes alusivos à época quinhentista. São paradigmáticas, a dos Descobrimentos, o Trópico do Câncer, etc.
Ente 2007 e 2009 a decoração interior, foi renovada, com a mistura de temas contemporâneos aos originais.
O centro possui capela, bastantes restaurantes, exposições periódicas, cinemas, cafés, grandioso hipermercado e muito mais.
Em suma, uma cidade, dentro da cidade.
Quando foi inaugurado era o maior centro comercial de Península Ibérica.
Em 119.725 m2, conta com 404 lojas, como a livraria FNAC, Zara, Sport Zone, Vobis, Adidas Originals, etc.
Quem se der ao trabalho de estacionar, numa das praças, pode apreciar a muita elegância feminina lisboeta que por ali vai desfilando.
Porém Olavo, como prometera a Vanessa, jantou e foi para o Europa Bar, onde tomou café acompanhado dum cálice do famoso Licor Beirão.
Numa mesa próxima, lá estava Adolfo, num grupo de amigos.
Dele então não desgrudou a vista.
Até que todos saíram.
Discretamente, seguiu o motivador a investigação, até que o viu entrar em casa.

Daniel Costa

6 comentários:

  1. Fez uma linda apresentação do Centro Colombo.
    Pareceu-me que o marido da nova cliente não a está traindo, eis que estava se divertindo com os amigos em um bar. Vamos aguardar o que Olavo vai descobrir. Aliás, dessa vez, admirou Vanessa mas não fez uma nova conquista. Ainda!!! (rss).

    ResponderEliminar
  2. Olá Daniel,

    Terminou em suspense (rsrsrs). Estava curiosa para maiores dicas a respeito do desinteresse do Adolfo pela Vanessa.
    Vamos aguardar o próximo capítulo.
    Gostei das informações acerca do Centro Colombo. Deve ser um lugar bem aprazível.

    Ótimo final de semana.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  3. Olá, Daniel
    Vim visitar o "nosso" Olavo, que já não via há um certo tempo...
    Desta vez o maroto não revelou quase nada... o que terá ele na manga? O remédio será ler o próximo episódio para ficar a saber.
    Aproveitei e li também o anterior. Gostei bastante.

    Estes capítulos do Olavo têm, para além do seu valor natural, a grande virtude de nos "mostrar" os vários locais por onde ele se desloca, o que os torna ainda mais interessantes.
    O C.C.Colombo é meu velho conhecido, como podes imaginar. Fui lá muitas, muitas vezes, principalmente quando era novidade.

    Fico, então, aguardando a continuação.

    Beijinhos


    ResponderEliminar
  4. Bom dia amigo Daniel !!!!!!
    Viajar no mundo do Olavo,nos traz sempre o prazer de visitar geograficamente esse universo.Na gastronomia,entende muito bem,na adega,vejo que entende bem mais ainda.E com as mulheres,sempre nos deixa o desejo dos pensamentos vadios.Eu como leitora estou esperando o próximo capitulo,rsrs,para ver no que vai dar esse enredo...
    Abç...

    ResponderEliminar
  5. Oiiiii, meu amigo Daniel!
    Esse licor me deixou até tonta. Dizem que os licores são bebidas femininas por causa da sua imensa doçura.
    Uma beleza de postagem, amigo. E não poderia ser diferente, você é um mestre pra todos nós.
    Abraço bemmmm carinhoso!!!!

    ResponderEliminar
  6. Daniel,
    tudo bem?
    Interessante a narrativa e a ambientação no Centro Colombo, de minha parte, uma oportunidade de pré-conhecer um espaço em Lisboa, mesmo que um espaço comercial.
    Grande abraço e ótima semana!

    ResponderEliminar