segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

AQUAEE FLAVIEE

                              

AQUAEE FLAVIEE

Uma das actividades diárias de Olavo consistia em, de quando em vez, ver se haviam chegado E-Mail’s, respeitantes às suas actividades de investigação.
Certo dia, pela primeira vez, um homem de seu nome Filipe, reclamava os seus serviços, deixara o número de telefone.
O E-Mail, provinha da cidade de Chaves, banhada pelo rio Tamêga, na Província de nortenha de Trás-os-Montes.
Os naturais de Chaves, designam-se flavienses.
Olavo, pelo celular, logo estabeleceu contacto com Filipe.
Este debatia-se com uma forte suspeita de traição matrimonial.
Desejava pedir rigorosa e sigilosa investigação.
Assim ficou marcado, para o dia seguinte, pelas dezasseis horas da tarde, o encontro na recepção do Forte de S. Francisco Hotel, instalado num edifício do século XII, já conhecido do inspector.
Olavo na sua satisfação de voltar a visitar a bonita cidade de Chaves, a Aquaee Flaviee, dos Romanos que a ocuparam, deixando vastos vestígios, para lá se dirigiu.
Às portas da cidade, encontrou um restaurante, com aspecto de bom ambiente.
Foi ali que se banqueteou com a célebre posta à mirandesa.
A posta à mirandesa, consiste num naco de carne de vaca, cortada em jeito de bife, é mais alto e grelhado.
Sendo de vaca, criada nas pastagens de Miranda do Douro, é muito saborosa por isso.
Como estava pelo nordeste de Portugal, embora já conhecesse, algo do interessante folclore carnavalesco da região, fora ainda visitar a localidade de Prodence.
Como faltavam duas horas e meia, para o encontro com Filipe, antes daria uma saltada à localidade, dada como o sitio oficial dos caretos
Na localidade, pôde saber, que os caretos são representações de homens, trajados de cores garridas, com nariz feito de latão ou de outros materiais.
Pensa-se que a tradição daquele tipo de mascarado, remonta ao período pré-romano.
O careto usa fato às ricas, com capuz vermelho, de cores garridas, feitos de colchas com franjas de lã vermelha, verde e amarela.
Carrega, ainda, bandoleiras com campainhas e enfiadas de chocalhos à cintura.
Da indumentária faz parte também um pau ou cacete.
Às dezasseis horas Olavo, estava na recepção do Forte de S. Francisco Hotel, quando apareceu Filipe.
Estavam num local muito acolhedor e de absoluta tranquilidade, apropriado para uma conversa confidencial, como a pretendida.
Se Filipe alimentava a esperança que apenas, de o que sentia não passaria de ciúme e suspeita.
Elas na percepção de Olavo teriam fundamento.
Disse-lho e então aprazaram, nova reunião para dali a dois dias no gabinete de Filipe.
Dali partiriam para almoçar num restaurante, antigo, simpático e tranquilo, como convinha, bastante conhecido localmente, e frequentado por Filipe.
Ali ouviria a veredicto que Olavo prometia apurar nesses dias.

Daniel Costa

7 comentários:

  1. Daniel, o primeiro cliente masculino!!! E que linda descrição você fez da localidade, seu folclore e também da refeição feita por Olavo, cujo nome eu desconhecia. Fiquei curiosa para saber o que seu detetive vai apurar .
    O jeito é aguardar!

    Bjs.

    ResponderEliminar
  2. Boa noite, Daniel
    Há 4 anos passei uns dias em Chaves, num hotel rural "Quinta de Samaiões" - deliciosos!
    É uma zona muito bonita. Tenho fotos feitas lá, lindíssimas.
    Agora não me convides é para a «Posta à mirandesa»; não gosto, não consigo mesmo comer, carne de vaca. Mas sei que é um prato muito apreciado, típico da região.

    Descreves lindamente o local assim como o folclore, que acho muito interessante. Já reparaste que é diferente de tudo o que há no país? Eu vi na televisão uma reportagem sobre os caretos e gostei imenso.

    Quanto ao 'nosso' Olavo... veremos a conclusão a que ele vai chegar. Haverá traição da mulher? Serão suspeitas infundadas do marido?
    Para o saber teremos que aguardar pelo próximo capítulo.
    Aguardarei...

    Uma noite feliz. Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Tens uma capacidade descritiva admirável, amigo! Sempre me surpreendes.
    Gostei demais do vídeo!
    Beijinhos mil!

    ResponderEliminar
  4. Olá Daniel,

    Lindo lugar! Viajei pela sua descrição.

    Parece que Olavo já suspeita, de antemão, de infidelidade no caso de Filipe. E ele poderá estar certo, haja vista seu "faro" para este tipo de investigação.

    Grande abraço.

    ResponderEliminar
  5. Amigo Daniel !
    Você foi feliz em descrever de forma bonita o local que o Olavo se encontra.
    Sabia que senti falta da imagem de uma mulher na vida do Olavo.Espero que nos próximos capitulos ele se revele mais uma vez...
    Assistindo o vídeo,faço o comparativo do carnaval do Brasil atualmente...Folclore que herdamos de Portugal,hoje é a maior festa popular do país.Enquanto Portugal mostra os caretos de Podence.
    Abç.

    ResponderEliminar
  6. Daniel, uma maravilhosa descrição. Parece maravilhoso o local. Adorando amigo.

    Depois de alguns dias ausente, estou de volta tentando colocar tudo em dia.
    Ja estava com saudades de passar aqui.
    Beijos grande!

    ResponderEliminar
  7. Poeta Amigo..seu texto encanta pela riqueza de detalhes, na descrição dos locis.Nos faz viajar..
    Aguardemos os proximos capitulos1!

    bj

    ResponderEliminar