segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

OLAVO EM SETÚBAL

 
Convento de Jesus Setubal (foto Internet)

OLAVO EM SETÚBAL

À hora antes aprazada, Olavo sempre pontual, de roda do seu café, com um inseparável livro, esperava a sua cliente, Rosário.
Não tardou muito, para que esta aparecesse, na sua elegante silhueta.
Como a senha para o conhecimento pessoal do investigar, era o livro, logo o reconheceu, apresentando-se:
- Olavo com a devida vénia, indicou-lhe uma cadeira e ofereceu-lhe um café.
Rosário preferiu um licor, “beirão”, bebida de grande tradição, que de Coimbra sai muito para o mundo, sendo bastante apreciada também por mulheres.
Pela conversa telefónica Olavo, tivera intuído, o caso não passar de mero aconselhamento.
Como era bom ouvinte, convidou a cliente a pronunciar-se de novo e mais detidamente.
Ela assim fez, enquanto ele ouvia atenciosamente.
Depois de ouvir o desabafo da Rosário, mais se arreigou a ideia que o caso não passava, de um daqueles factos muito comuns entre casais:
- Fases de um certo arrefecimento, do habitual carinho, e por consequência da actividade sexual.
Foi nesse sentido que Olavo, quando chegou a sua vez, foi falando e aconselhando, como se fosse bastante experimentado nesses casos.
Ela ouviu e a determinada altura questionou:
- O arrefecimento amoroso, notório do seu Rodolfo, não atribui a caso de infidelidade?
Ao que ele respondeu, pelo que tenho ouvido, em nada me parece!
Olavo com o se à – vontade, desatou a dar conselhos, que Rosário foi ouvindo atentamente:
- Tente criar ambiente, como por exemplo, preparar um jantar de que ele aprecie, servido em ambiente romântico.
Use outros truques, muito femininos, que saiba que o Rodolfo goste.
Por vezes, a mulher poderá sentir certa desilusão e em vez de estimular e piora a situação, não será o caso?
Ela deu a sensação de o ter entendido:
- Disse, pensando melhor pode ser o caso, aconselha então a ser eu a tentar providenciar, para acertos?
Objectivamente sim, se o que tentar não der certo, pode voltar a consultar-me!
Ali deu por concluído o seu trabalho, com uma amistosa despedida.
Cerca de hora e meia durou a conversação.
Antes de regressar, ainda deu tempo para visitar o vetusto Convento de Jesus. Património cultural da cidade de Setúbal, uma das maiores de Portugal, de que guarda boas recordações.
A construção do monumento se deve à ama do rei D. Manuel I, Justa Rodrigues Pereira. Mosteiro ou Convento de Jesus, daquela cidade, data de 1490.
O Mosteiro veio a ser ocupado pelas Feiras Clarissas, em 1496.
A capela-mor é revestida de azulejo, mais tarde, em 1520-1530, na galeria renascentista, foi instalado um retábulo de pintura, considerado, um dos mais notáveis conjuntos da Arte Renascentista em Portugal.
A Igreja do Convento de Jesus, de estilo gótico, destaca-se por ter sido, em Portugal, o primeiro ensaio de “igreja salão”.
Depois, Olavo reviu ali o Museu de Setúbal com vários núcleos, como a “Casa Bocage”, “Casa do Corpo Santo / Museu do Barroco” e o “Museu Sebastião da Gama”.
A seguir regressou a casa, onde a sua adorada Vera, já o esperava carinhosa, como sempre.

Daniel Costa



6 comentários:

  1. Olavo, desta vez, se limitou a aconselhar. E teve sensibilidade para fazer com que sua cliente mudasse o foco e partisse para a reconquista do amado.
    Ele , além de sua tarefa, ainda pode usufruir de beleza e cultura.

    Bjs.

    ResponderEliminar
  2. Amigo Daniel !

    Pelo que vejo o Olavo deixou sua fama de Dom Juan
    para ser psícologo da vida.Neste conclave saiu da fama de conquistador para orientador.Mas pode ser tbm que não tenha simpatizado com a cliente(falta de química)kkkkkkkkkkkk.
    Foi bom porque aproveitou para usufluir da beleza da cidade,com tantos monumentos culturais...
    Sorte teve a Vera,pois ganhou o amor de Olavo naquele dia só prá ela,sem ter que dividir com outras...
    Abç

    ResponderEliminar
  3. Boa noite, Daniel
    Então agora o Olavo virou conselheiro matrimonial???
    Porque será que tenho a sensação que o assunto ainda não está arrumado??? :)
    Talvez eu esteja a ser influenciada, no meu juizo, pela fama, e proveito! de Don Juan, de que Olavo desfruta... Aguardarei o próximo episódio, mas de pé atrás :)))

    Muito boa a tua descrição da linda cidade de Setúbal e seus monumentos.

    Para retribuir a tua atenção em avisares-me quando há episódio novo no Olavo... é a minha vez de te informar que a «CASA» faz hoje anos. Queres ir até lá?

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Oi, amigo querido!
    Pretendia dormir um pouquinho agora, mas ao receber o seu convite, vim correndo para ver o que o Olavo estava aprontando agora. Percebo que ao chegar em Portugal ele ficou mais conservador e calmo, tipo família. Legal!
    Saber dar conselhos é uma arte, acho que ele acertou em cheio quanto ao clima romântico que algumas mulheres devem criar para manter a chama do amor sempre acesa.
    Lindo, lindo! Adorei!
    Beijos e bom carnaval!!!

    ResponderEliminar
  5. Tudo nos conformes!
    Nada a assinalar :)))

    Bjs

    ResponderEliminar