sexta-feira, 4 de novembro de 2011

GAROTAS DE IPANEMA



GAROTAS DE IPANEMA

Nesse dia à noite, feita a instalação em Angra dos Reis, depois do derradeiro encontro com a Creusa, no “Devassa”, do Rio de Janeiro, regressaria a Lisboa.
Enquanto tomava o pequeno-almoço, com as saudades da amada Vera, pensava em como passar a manhã.
Havia tanta coisa no Rio de Janeiro que gostaria de ver!
Doravante teria ensejo de passar por tudo, com tranquilidade, apesar de não ter ali as suas instalações, mas em Angra.
Seria mais por snobismo?
Talvez!...
Não podia negar isso a si mesmo.
Nisto pensou, na praia de Ipanema, que Vinicius de Morais celebrizou em poema, que deu origem à sua famosa canção, “Garota de Ipanema”.
Apanhou um transporte e para lá se dirigiu.
Uma vez chegado, o sítio e as suas vivências, encantaram-no, como teriam encantado o grande poeta.
Estar na nobre Ipanema, realmente, era um gosto. Primeiro o seu calçadão construído à portuguesa, junto à praia ladeada de palmeiras, um ambiente verdadeiramente tropical!
As garotas de que o poeta falou, lá estavam nos seus arrojados bikinis, senão em topless.
Um sonho a fazer lembrar as histórias das “Mil e uma Noites de Bagdad, relatadas por Xerazade!
Depois o “bon vivan”, Olavo, ainda visitou a igreja da Senhora da Paz, um belo monumento.
Pensando em tomar por ali o seu almoço, passou uma vista de olhos pelas bastantes ofertas que há. Escolheu precisamente, o “Gourmet” para fazer o seu repasto.
Posto isto, chegou de novo ao “Devassa”, onde calmamente, tomou o seu café, aguardando a chegada de Cleusa.
Ela, não se fez esperar!
De novo, Olavo pediu um suco para a anfitriã e retomaram o assunto que a trazia preocupada.
Afinal, Olavo tinha boas notícias para ela!
Sem desenrolar muito o novelo, informou-a sobre o que apurara:
- A rival, que de facto havia, deixaria de a assombrar, podia prometer!
Pudera!...
Comentou alguns factos, os que achou possíveis e prudentes, para justificar.
De feliz que ficou, perdendo um pouco, a noção de que não estava em local apropriado.
Lançou-se ao seu pescoço, abraçou-o e beijou-o
Olavo ficou com a sensação que tinha contribuido, para que a felicidade voltasse a alegrar aquela alma.
Chegara, entretanto, a hora marcada para apanhar o voo para Lisboa.

Daniel Costa


Abrir o link e ouvir “Garotas de Ipanema

9 comentários:

  1. "Ipanema era só felicidade, era como se o amor doesse em paz..."
    Acho que quando Tom compõs esses versos estava fazendo uma previsão para que o Olavo degustasse esse momento de ternura em tão boa companhia.
    Estou adorando a leveza do transcorrer da tua escrita, amigo querido.
    Livro novo chegando é como filho que nasce. E vai nascer em paz e com sucesso, se Deus quiser. Ele há de querer.
    Amigo, abençoado seja teu final de semana!Beijinhos!

    ResponderEliminar
  2. Olá amigo poeta,
    Desta vez Olavo mostra-se mais leve, relembrando a amada e desfrutando a beleza indiscutível de Ipanema. Chegou até a se sentir gratificado por ter proporcionado tranquilidade ao coração de Cleusa.
    Adorei o encantamento da narrativa.
    Tenha um ótimo domingo.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  3. Olavo, sabiamente, não perdeu a oportunidade de caminhar pelo calçadão, olhando a praia e as belas mulheres. Ele gosta de unir suas atividades profissionais aos prazeres que a vida lhe oferece.
    E, apesar dos envolvimentos emocionais, sabe dar alegria às clientes.
    Mais um capítulo interessante, meu amigo!

    Bjs.

    ResponderEliminar
  4. Ipanema é um bairro bonito e cheio de coisas interessantes. O Olavo sabe das coisas.

    Bjos.

    ResponderEliminar
  5. Olá amigo Daniel, O Olavo sabe bem o que é coisa boa. Resolveu passar sua manhã num belo lugar onde a visão fica mais aguçada. Praia de Ipanema. Olavo é um ótimo anfitrião. Estou adorando o desenrolar da história. Aguardo o próximo capitulo.
    Beijos e ótima semana.

    ResponderEliminar
  6. Olá, Daniel
    Só hoje tenho oportunidade de vir... mas não estava esquecida:)
    Só para que faças uma ideia, hoje, novamente, passei toda a manhã no IPO. A semana passada fui lá duas vezes... Enfim, o que tem que ser tem muita força, não é verdade?

    Pois o nosso amigo Olavo só espalha felicidade ao seu redor:)
    Ele "sabe-a toda" é o que é.
    Em plena Ipanema, gozando a vida e os belos monumentos:))) - que mais há-de ele querer?
    Por outro lado, os casos que lhe têm confiado têm sido resolvidos com êxito...
    Está muito bem encaminhado, tal como a tua trama. Vai sair livro, palpita-me.

    Olha, ainda há pouco vi-te :) Estive a visionar o filme do lançamento do meu livro, e lá estás tu...

    Continuarei aguardando mais episódios do Olavo.
    Até lá, beijinhos (e pouca chuva, se possível...)

    ResponderEliminar
  7. Amigo Daniel é mais do que natural o Olavo ter ficado encantado com Ipanema, é um local maravilhoso, tive o prazer de visitar o Rio de Janeiro o ano passado, adorei andar pelo calçadão, o Rio é lindissimo.
    O Olavo contribuíu para a felicidade de alguém o que deixa sempre um sentimento muito agradável.
    Vou continuar a seguir as suas aventuras com muito prazer.
    Bom domingo
    Beijinhos
    Maria

    ResponderEliminar
  8. Daniel, passei pra desejar um ótimo feriado com uma semana excelente. Aguardo o próximo capitulo. Bjs amigo!

    ResponderEliminar
  9. Querido amigo Daniel,

    O enredo a cada dia mais interessante e rico em detalhes que despertam curiosidades.


    Beijos com carinho

    ResponderEliminar