terça-feira, 7 de junho de 2016

OS JESUÍTAS E A ACULTURAÇÃO DO BRASIL




OS JESUÍTAS E A ACULTURAÇÃO DO BRASIL
 
Sendo de importância, no estudo da colonização do Brasil mencionar o papel os Missionários Franciscanos que lá chegaram pelo menos até 1949, embora não tendo sido os únicos missionários, até chegaram os Jesuítas.
Deve ser destacado que, religiosamente, o Brasil nasceu franciscano. Foram estes a fundar muitos conventos, que hoje são relíquias arquitectónicas do passado.
Outras congregações religiosas também enviaram missionários, que erigiram as suas igrejas e conventos.
Em 1549 chegavam à Bahia os seis primeiros Jesuítas, chegando muitos outros nos anos seguintes.
A Companhia de Jesus, cujos membros ficaram conhecidos como jesuítas, foi fundada em 1534 pelo basco Inácio de Loyola.
A Congregação reconhecida por bula papal em 1540.
A Companhia desde logo se difundiu muito por Portugal e D. João III pediu missionários, que lhe iam sendo enviados.
Os primeiros seis jesuítas chegaram, pois, ao Brasil em 1549, integrados na armada de Tomé de Sousa.
Chefiados pelo padre Manuel da Nóbrega, foram eles Leonardo Nunes, João de Azpilcueta Navarro, Vicente Rodrigues, António Pires e seu irmão Diogo Jácome.
Iniciaram a sua catequese, erguendo um colégio em Salvador da Bahia e fundando aí a Província Brasileira da Companhia de Jesus.
A segunda vaga chegou em 1550, na armada de Simão da Gama.
O primeiro Bispo chegou em 1952, em 1553 José de Anchieta, na armada de Duarte Góis.
Mais tarde, cinquenta anos depois, os jesuítas já tinham colégios por todo o litoral, do Ceará a Santa Catarina, do nordeste a sul portanto.
A sua arquitectura religiosa, adaptada localmente, continua marcante a impor-se.
Quando foram expulsos, em 1759, havia 670 por todo o Brasil, distribuídos em aldeias, missões, colégios e conventos.
Bastantes nomes se podem destacar, mas os que ficaram mais conhecido são Manuel da Nóbrega, José de Anchieta e o Ilustre orador que foi o Padre António Vieira.
Além da vila de São Vicente, foram sendo fundadas outras povoações, secundadas por missionários, para catequisar os Índios autóctones.
São os jesuítas que mais se destacaram na missionação no Brasil e consequentemente, mais influenciaram a aculturação dos povos do Brasil, já que passaram a ser eles quem acompanhavam as vastas expedições de colonizadores.
Destinavam-se às missões, religiosas, em 1570, os designados Quarenta Mártires do Brasil. Um grupo da Companhia de Jesus, de 40 jovens, (entre 20 e 30 anos), 32 portugueses e 8 espanhóis, liderados por Inácio de Azevedo.
Durante a viagem, a sua nau foi interceptada nas Ilhas Canárias por navios de huguenotes calvinistas franceses. Ao saberem que os tripulantes eram missionários católicos atiram-nos ao mar a 15 de Julho de 1570.
Beatificados a 11 de Maio de 1854, a sua festa litúrgica tem lugar a 17 de Julho.
Sem dúvida estes mártires são o paradigma dos que se deram as vidas em prol da colonização.
Paradigmática foi também a cultura bem, destacada, do jesuíta Padre António Vieira.
Viera, além de lutar conta a “Santa Inquisição”, de que os jesuítas foram guardiões administradores, combateu essa ignominiosa heresia, se insurgindo, sobretudo na sua prodigiosa actividade de comunicador.
Denunciou também a injustiça humana da escravatura.
Além de que, a nível mundial, terá sido o primeiro homem a falar nos devidos termos de humanismo, com uma clarividência, muito à frente da época em que viveu.
Trinta volumes, da sua obra, que legou para a posterioridade o seu pensamento, o seu e saber, foram editados já no século XXI, pelo Circulo de Leitores e oferecidas cópias a Sua Santidade o Papa, Francisco I.
Em suma, o Padre António Vieira foi um dos maiores oradores de sempre, mas também exímio defensor da tolerância entre etnias.
 
Daniel Costa
 
 
 
 

 

5 comentários:

  1. Quanto aprendemos com seus textos Daniel!
    Muito lindo,adorei.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  2. Concordo com a Carmem... Aprendemos e/ou relembramos o que nos foi ensinado, mas esquecido! Lindo! abração,chica

    ResponderEliminar
  3. Boa Tarde, Daniel!
    Fui voluntária com os Jesuítas e gosto muito da espiritualidade inaciana... fiz várias missões pelo Brasil com os jesuítas...
    Gsotei muito de passar por aqui...
    Está chegando o dia do santo brasileiro: S. José de Anchieta... um festão no ES...
    Abraço fraterno

    ResponderEliminar
  4. Mais uma lição de História, Daniel. É sempre bom lê-lo.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  5. OI DANIEL!
    GOSTO DE VIR NESTA TUA PÁGINA POIS ALÉM DE RECEBER CONHECIMENTOS SOBRE HISTÓRIA É SOBRE O BRASIL.
    MUITO BOM TE LER.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar