sábado, 24 de setembro de 2011

ENCONTRO PORTUITO

                               
Agência Lusa

ENCONTRO FORTUITO

Depois de equacionar o problema do local, Olavo alugou, em Lisboa, uma sala junto à Agência Portuguesa de Notícias LUSA. Muito perto está um dos maiores centros comerciais da Europa, o Colombo.
O Centro Comercial Colombo, na sua espectacular grandeza, é como uma cidade coberta, composto de ruas e praças com nomes alusivos aos descobrimentos.
Por essas pode assistir-se diariamente a um verdadeiro desfile de beldades alfacinhas (Lisboetas).
Já com a sala equipada a seu jeito, Olavo resolveu ir tomar café ao Colombo, era hora de ponta, os muitos e pequenos cafés ali existentes em fila, estavam com os balcões apinhados de gente, o mesmo acontecia nas suas, respectivas, mesas que se situam fora, com uma óptima visão de parte dos andares por debaixo.
Olavo, disposto a fazer ali uma pausa e meditar no que havia a orientar ainda, como nos pequenos anúncios a inserir em jornais da capital, etc.
Não encontrava mesa disponível.
Nisto, repara numa mulher bastante atraente, até pela sensualidade cativante de que dava mostras.
- Estava só!
Pediu-lhe licença para se sentar a tomar o seu café. A mulher, num sorriso acenou que sim.
Ao fim de minutos, tinham entabulado uma agradável conversa.
Olavo que já só pensava, na nova empresa, de investigador que criara, não tardou que a mencionasse.
Nisto, parece ter-se feito luz no olhar da mulher.
Sem mais rodeios, disse:
- Quer iniciar com um caso que me tem dado que pensar?
Olavo, como que impulsionado, disse logo:
- Adoraria!...
Ela começou de imediato a debitar pormenores; tratava-se do marido, que sendo gestor de determinada empresa deslocava-se variadíssimas vezes a uma delegação do Porto, onde permanecia, invariavelmente duas semanas.
Nesta altura, a mulher, Magda de seu nome, já se mostrara carente e ficou combinado no dia seguinte ele passar por sua casa, onde receberia mais instruções, depois partiria logo a resolver a questão.
Ela desconfiava de infidelidade e queria ter a certeza.
No dia seguinte, logo cedo estavam reunidos ambos, numa sala da casa de Magda, sem dúvida, decorada com gosto.
Ela indicou-lhe o sofá, os seus olhos olhavam o homem e faiscavam de desejo.
Em pouco ele era, carinhosamente, acariciado.
Desencorajar não, mas como fazer?
Deixou-se enlevar, saboreando, aqueles doces momentos.
Tudo foi esquecido, em pouco estava, como que hipnotizado, pelo que se lhe oferecia e saciou-a até à exaustão.
Depois calmamente voltaram à conversa sobre o assunto que o levara ali, acertaram pormenores, o resto seria de conta da astúcia de Olavo.
Ficara a saber onde se localizava a delegação. A partir dali iniciaria a investigação e rodou a caminho da cidade do Porto.

Daniel Costa


7 comentários:

  1. Querido amigo,

    Magda já efetuou sua vingança antes da investigação e a certeza da traição do marido e de quebra um adicional dos honorários de Olavo. Adorei, Daniel! Bem empolgante o capítulo!

    Beijos com carinho

    ResponderEliminar
  2. Meu amigo
    Se assim se portar Olavo, sua esposa haverá que procurar um profissional da natureza, logo, logo.
    Amei o texto!
    Fico no aguardo do caminho que vai dar à obra.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  3. Daniel, meu amigo e grande escritor!
    Parece-me que, na concepção de Olavo, os momentos de amor e sensualidade são "aperitivos" para impulsioná-lo às suas atividades. Que sejam!
    Mas eu tô me deliciando, com certeza!
    A foto ficou bem adequada, legal mesmo. Uma semana inspiradíssima!Beijinhos no coração!!!

    ResponderEliminar
  4. Olá,Daniel!

    Uma trama cheia de surpresas!
    Mas espero que Olavo se lembre que fidelidade é importante...
    Beijos!!Parabéns pelo trabalho!

    ResponderEliminar
  5. Olá Daniel que bom que você me convidou e vim conhecer esse seu outro blog, e já vou seguir também.Estou adorando o conto, espero que o Olavo
    se cuida daqui pra frente, porque mulher desconfiada vai fundo, e a Magda não está pra brincadeira. Vamos ver o que vem ai no próximo capitulo. Beijo meu amigo e ótima noite.

    Smareis

    ResponderEliminar
  6. Olá, Daniel
    Mas que belo passarão nos está a sair o Olavo!
    Olha se a Vera se lembra de o mandar investigar...tínhamos o caldo entornado!
    Mas... isto é apenas um aparte, pois a história está a começar a aquecer.
    Já tem ingredientes q.b. para ir muito longe!
    Estou a adorar.

    Obrigada por me avisares. E, por favor, vai fazendo isso até eu memorizar, sim?
    Ando numa fase em que tenho muito em que pensar... e esta minha cabeça já teve melhores dias :)

    Uma boa semana. Beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Olá,Daniel!!

    Deixo um beijo e aguardo mais da história!
    Tenha um bom dia!!

    ResponderEliminar