sexta-feira, 14 de abril de 2017

MUNICÍPIO DE CABO FRIO

Resultado de imagem para cabo frio
Resultado de imagem para cabo frio

MUNICIPIO DE CABO FRIO
Data de há cerca de seis mil anos, quando um grupo nómada chegou,  à costa, em canoas, acampando no Morro dos Índios, pequena ilha rochosa na actual barra da Lagoa de Araruma.
Evidências arqueológicas encontrada em “sambaqui” (concheiras), mais tarde abandonado, devido ao possível esgotamento de recursos de sobrevivência, baseados na pesca e na caça.
Há cerca de mil e quinhentos anos os guerrilheiros indígenas tupinambás iniciaram a conquista do litoral da região, evidenciando adaptação mais eficaz que os nómadas pioneiros.
Em 1503, deu-se a terceira expedição portuguesa, que sofreu um naufrágio no arquipélago Fernando Noronha, tendo-se dispersado a frota remanescente.
Dois navios comandados por Américo Vespúcio seguiram até à Bahia e daí para Cabo Frio.
Na barra de Araruama, construíram e guarneceram uma fortaleza- feitoria, para explorar o pau-brasil, abundante na margem continental da lagoa.
Este estabelecimento comercial-militar pioneiro, em 1512 efectivou a posse portuguesa da nova terra descoberta, começando a conquista do que foi destruído pelos tupinambás, devido às muitas desordens e desavenças, havidas entre eles, em 1526.
Desde 1504 os franceses traficavam o pau-brasil, na costa brasileira com os índios. Durante as três primeiras décadas do século XVI, praticamente a sua acção se restringiu ao litoral da região nordeste.
Devido ao policiamento naval português, a partir de 1540, os franceses em 1556, viriam também a construir uma fortaleza-feitoria para continuarem a exploração do pau-brasil, no mesmo ilhéu, anteriormente construído pelos portugueses, junto à barra do porto do Araruama. 
Esta fortaleza cabofriense consolidou e ampliou o domínio francês iniciado com a fortaleza de Villegaignon, um ano antes, no Rio de Janeiro.  
Depois em 1575 aconteceu a chamada Guerra de Cabo Frio, António Salema, o governador do Rio de Janeiro, com um poderoso exército, com homens da Guanabara, São Vicente e Espirito Santo, com o apoio de tropa, catequizadas, tupininquim.
Por terra e mar, oficiais e soldados, com o objectivo de acabar com o último bastião da Confederação dos Tamoios e acabar com domínio francês, de duas décadas, em Cabo Frio.           
Depois do cerco e rendição da fortaleza, franco - tamoia, dois franceses, um Inglês e o pajé (na antropologia brasileira – o especialista ritual)  tupinambá foram enforcados. Quinhentos guerreiros assassinados a sangue frio e cerca de mil e quinhentos índios escravizados. Os vencedores, de seguida entraram pelo sertão, queimando aldeias, mataram mais de dez mil índios, aprisionando outros tantos.
Os sobreviventes refugiaram-se na Serra do Mar.
De Macaé a Saquarema, em virtude do massacre, transformou-se num deserto humano, servindo esporadicamente, de passagem para os índios goitacases, na procura de caça e pesca.
Depois do abandono dos portugueses, estes com base na cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, estabeleceram um eficiente bloqueio naval.
Com a perda da independência de Portugal, de 1576 a 1615, o porto de Araruama voltou a ser frequentado por navios franceses, Ingleses e holandeses, sempre em busca do pau-brasil e tornando-se também a base da pirataria, contra embarcações portuguesas.
Depois de 1580, redobrou a presença destes, arvorando bandeiras inimigas dos espanhóis.
O então governador do Rio de Janeiro, Constantino Menelau, finalmente, recebeu do rei Filipe II, para mais uma vez regressar à região.
A 13 de Novembro de 1615, com a ajuda de quatrocentos homens brancos e índios catequizados, junto à barra de Araruama, levantou a Fortaleza de Santo Inácio e fundando a Cidade de Santa Helena de Cabo Frio.
Em 1616, Estêvão Gomes, fazendeiro e comerciante de escravos africanos no Rio de Janeiro, foi nomeado capitão-mor de Cabo Frio, transferindo o sítio da povoação colonial para o actual bairro da Passagem, que rebaptizou de cidade de Nossa Senhora da Assunção de Cabo Frio.

Daniel Costa

7 comentários:

  1. Nossa, não pensava que Cabo Frio fosse tão linda... rsss, e eu aqui!!
    Excelente matéria, Daniel! Gostei de você ter postado mais de uma foto!
    Beijo, uma ótima páscoa pra você e sua família!

    ResponderEliminar
  2. Voltei a ver as outras postagens anteriores, tem mais de uma foto, acho que me enganei, desculpe.
    Seu trabalho está excelente.
    bjs

    ResponderEliminar
  3. Tais Luso
    Do Cabo Frio, sairá outro capitulo. Os aspectos da colonização do Brasil são surpreendes, mesmo só o visto em pesquisas.
    As ilustrações, normalmente, são duas.

    ResponderEliminar
  4. Vou conhecendo o Brasil com as suas lições de História, Daniel. Obrigada.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  5. Olá amigo Daniel.
    Cabo Frio é mesmo uma maravilha, mas não conhecia a sua história. Agora, depois desta sua postagem, fiquei entusiasmada em conhecer mais ainda. Parabéns.
    Um grande abraço.
    Pedro

    ResponderEliminar
  6. Mas que matança...
    Mais um excelente capítulo da História brasileira.
    Bom fim de semana, amigo Daniel.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  7. Ola Daniel,
    Perfeita essa postagem.
    Esses lugares são lindos demais.
    Acredita que eu tinha uma casa perto.
    Era em Praia Seca( já ouviu falar?)
    Lugar de mar aberto e lagoa.
    Mas depois ficou caro sustentar
    2 casas e acabei vendendo.
    Beijos

    ResponderEliminar