quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

RIO GRANDE DO SUL

Resultado de imagem para IMAGENS DE RIO GRANDE DO SUL
Resultado de imagem para IMAGENS DE RIO GRANDE DO SUL
RIO GRANDE DO SUL

À época da descoberta do Brasil, a região que actualmente forma o Rio Grande do Sul era habitada pelos índios minuanos, charruas e caaguarás que já lá viviam há 12 mil anos aC.
Sabe-se que foram bons ceramistas e que na caça usavam boleadeiras (espécie de fundas, que eram lançadas aos pés dos animais, em corrida, causando-lhes a queda e assim possibilitando ao caçador, matar as peças). A boleadeira é até hoje um dos instrumentos do peão gaúcho.
Essas tribos viveram bastante tempo com os brancos colonizadores e as disputas entre Portugal e a Espanha sobre os limites das suas possessões das Américas fizeram com que a região só viesse a ser ocupada no século XVII.
Os jesuítas espanhóis foram os primeiros a estabelecer-se no local.
A geografia do estado do Rio Grande do Sul, que se divide em onze regiões fisiográficas e o Tratado das Tordesilhas, de 1494, que dividiu a soberania sobre os descobrimentos entre Portugal e Espanha, influíram para retardar a ocupação a leste, por aqueles.
No caso do Brasil, o meridiano estendia-se a cerca da ilha de Marajó até à baia de Laguna, em Santa Catarina.
Dadas as dúvidas, sobre o ponto exacto, onde devia passar a linha que se convencionara e situando-se o rio de São Pedro na zona discutida, nenhuma das nações, se apressava a ocupá-lo, por temer de novas dificuldades diplomáticas.
No entanto, em princípios do século XVII a Espanha penetrou na margem esquerda do Rio Uruguai, por intermédio dos jesuítas, os quais, a partir do Paraguai, estabeleceram as suas “reduções” (aldeamentos indígenas organizados pelos jesuítas espanhóis no novo mundo), chegando perto donde se situa a hoje Porto Alegre.
A seguir, chegam os Bandeirantes, que destruíram a província do Guairá e descendo à província de Tape, no coração do Rio Grande do Sul, assim como à do Uruguai, desbarataram as aldeias, com o aprisionamento dos índios, levando-os como escravos para as suas lavouras.
António Raposo Tavares foi um dos maiores chefes dessas expedições predatórias.
Os sobreviventes fugiram com os jesuítas mais para sul, onde se fixaram na margem direita do rio Uruguai.
Depois de bastantes batalhas e escaramuças entre portugueses e espanhóis reivindicando direitos, tendo em vista, sobretudo, o tratado das Tordesilhas, celebrado entre ambos os países, onde o força guerreira, se foi fazendo sentir, finalmente os portugueses puderam colonizar o Rio Grande do Sul.
Evangelizar os indígenas foi sempre um dos objectivos, no caso os missionários procederam sempre outras forças.
Nem a pressão dos bandeirantes pôs fim à presença dos jesuítas na margem oriental do rio Uruguai, que cinquenta anos depois, sempre atraídos pelas disponibilidades económicas da região, sobretudo pelo gado, retomando o território perdido, fase que veio a terminar, precedida de longas indecisões diplomáticas, que só terminaram com uma rápida acção militar em 1801.
A conquista do Rio Grande do Sul e seu povoamento são obra do carácter da gente portuguesa.
O litoral do actual território do Rio Grande do Sul, só foi explorado pela expedição de Martim Afonso de Sousa, provavelmente cabendo-lhe a primazia da descoberta da barra do rio Grande, ou de São Pedro.
O Tratado das Tordesilhas não impediu que a coroa Portuguesa se atribuísse o território do Rio Grande do Sul, na verdade.

Daniel Costa








7 comentários:

  1. Muito bom saber um pouco mais do lindo estado do Rio Grande do Sul Daniel!
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  2. Rio Grande do Sul, lugar lindo, não conheço muito, mas as suas localidades turísticas eu já vi, senti e percebi o encanto que é!
    Aqui, lendo sua bela postagem, me senti aluna, do meus tempos de estudante, amava História e sentia a glória de poder agradecer ter nascido no Brasil!
    Amei ler amigo Daniel!
    Abraços apertados!

    ResponderEliminar
  3. Olá, Daniel: para os Gaúchos a principal data é a Revolução Farroupilha.

    A Guerra dos Farrapos, também chamada de Revolução Farroupilha, foi o mais longo movimento de revolta civil brasileira. Eclodiu na província do Rio Grande do Sul, e durou dez anos, de 1835 a 1845. A Farroupilha foi um movimento de revolta promovida pelos ricos estancieiros gaúchos, denominação dada aos proprietários de grandes fazendas criadoras de gado na região. Os interesses econômicos desta classe dominante estão entre as principais causas do movimento, que teve como principal objetivo separar-se politicamente do Brasil.

    http://taisluso.blogspot.com.br/2014/01/porto-alegre-meu-rio-grande-do-sul.html

    http://taisluso.blogspot.com.br/2010/09/um-coracao-gaucho.html


    Beijos, amigo! Obrigada por trazer um pouco da HISTÓRIA DO RGS.

    ResponderEliminar
  4. Gostei de ler.
    Uma grande Nação feita de muitos sobressaltos e interesses.
    Abraço

    ResponderEliminar
  5. Vim aprender aqui, mais alguma coisa sobre as História do Brasil...
    Obrigada, amigo.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  6. Muito bem escrito,
    Adoro o Sul.
    Tenho uma amiga que mora em Caxias do Sul.
    Voce, Daniel conhece o Brasil muito melhor
    que muito Brasileiro, rsrsr.
    Beijos

    ResponderEliminar
  7. Obrigada por nos compartilhar esse texto Daniel,na verdade os Estados que você nos apresenta,eu só conheço o Paraná,mais especificamente a cidade Curitiba e gostei muito quando lá estive.
    bjs e obrigada pela visita.
    Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar