quinta-feira, 28 de abril de 2016

CAPITANIA DE SÃO VICENTE




CAPITANIA DE SÃO VICENTE
 
Em 1530, o Rei D. João III tornava oficial a colonização do Brasil, dando seguimento ao que já estava em curso por iniciativa de bastantes privados.
A Capitania de São Vicente, sendo a primeira a ser fundada, é uma das mais conhecidas da história da colonização brasileira.
Foi assim que o rei, em 1530 enviou de Lisboa, Martim Afonso de Sousa, no dia 3 de Dezembro de 1530 com uma armada de navios, gente, armas, apetrechos de guerra e nobres povoadores.
Tendo como imediato, seu irmão Pero Lopes de Sousa, a quem o rei tinha concedido oitenta léguas de costa a fim de fundar a sua capitania, porém este veio a falecer afogado no mar.  
A expedição foi feita à custa do próprio Martim Afonso de Sousa, que além da sua nobreza, levava outros fidalgos da casa real, como Pedro de Góis que depois, pelos anos de 1558, veio a ser capitão-mor da armada.
A histografia encara esta, como a primeira expedição colonizadora do Brasil, já que levava Regimento para expulsar os franceses da costa brasileira, colocar padrões de posse desde o Rio Maranhão até ao Rio da Prata, o que não alcançou, em virtude de ter naufragado antes, dividir a costa em capitanias medidas em léguas de costa, que em seguida o rei as concederia a donatários.
Martim Afonso de Sousa estava autorizado a escolher para si mesmo, uma de cem, da melhor terra.
Fundou assim, em 22 de Janeiro de 1322 a primeira vila do Brasil que batizou de vila de São Vicente, em homenagem a São Vicente, por o ser esse o dia daquele mártir, confirmando o nome anterior já dado por Gaspar de Lemos, trinta anos antes, quando aportou à ilha, por coincidência, em 22 de Janeiro.
Graças a Martim Afonso de Sousa, São Vicente, localizado no litoral paulista, tornou-se a precursora das vilas brasileiras, e berço da democracia americana, visto que, a 22 de Agosto de 1532, elegeu a primeira câmara de vereadores. Tendo sido assim a primeira eleição popular realizada naquele continente.
A capitania de São Vicente foi criada antes da primeira capital Salvador, devido à necessidade do reino de Portugal afirmar os seus Direitos de País descobridor, que lhe era atribuído pelo tratado das Tordesilhas, celebrado entre os Reinos de Portugal e  de Castela, em virtude da região se situar na embocadura do Rio da Prata, que cabia ao reino de Castela.
Também devido a que caravelas de outros países, nomeadamente franceses, bordejavam aquelas paragens, na pirataria para o que iam guerreando, não só os primeiros colonos portugueses, como até os Índios naturais, que para os vencer, ora se aliavam aos colonizadores, ora os combatiam sós.
De todo o modo, estavam a constituir aliança, como pode deduzir Teodósio de Mello.
Ali distribuiu lotes de terras aos novos habitantes, dando inicio à plantação de cana-de-açúcar.
Montou o primeiro engenho da Colónia, o “Engenho Governador”, situado no centro da ilha de São Vicente, região do atual estado de São Paulo.
Aqui esteve a importância da armada de Martim Afonso de Sousa, que para ali navegou com a autonomia concedida pelo Rei Piedoso.
Além da vila de São Vicente, seguidamente foram fundadas outras, como Santos, São Paulo, Sant’Ana de Mogi e outras mais.
Destaque para Brás Cubas, um dos fundadores da vila de Santos.
 
Daniel Costa