sábado, 29 de outubro de 2011

UMA RENDIÇÃO

                            
                             

UMA RENDIÇÃO

No dia seguinte, já Olavo tinha recebido nova chamada da cidade de Nova Lima, próxima da majestosa Belo Horizonte, capital do Distrito de Minas Gerais.
Era duma mulher chamada Mirta. Combinaram encontro para o dia seguinte, na sua cas em Nova Lima.
Exactamente nesse próprio dia o encontro estava marcado com Cleusa no bar Devassa, no Rio de Janeito.
À hora marcada, a Cleusa apareceu, com a identificação devida como o combinado.
Olavo, na sua qualidade de anfitrião, indicou-lhe uma cadeira. De seguida solicitou um suco, como ela desejava.
Era uma mulher ainda nova e bonita, divorciada, agora namorada e a viver com o Emenson.
Ele inspector da famosa Petobrás, com deslocações a várias cidades, por dever de ofício, normalmente estas eram de um dia e na área da cidade maravilhosa.
Porém ultimamente, sobretudo, quando ia a Belo Horizonte, passara a demorar três dias.
Cleusa dera em crer, já não ser só e vendo a comunicação do Olavo, num dos jornais, logo pensara em contratar os seus serviços.
Era para o que estava ali!
Olavo, depois de ouvir a história, dado o facto do Nova Lima ser cidade periférica de Belo Horizonte, teve como que uma premonição:
- O contacto de Mirta, não diria respeito ao mesmo Inspector?
A sua sagaz imaginação, fê-lo ser muito inconclusivo, com o caso de Cleusa.
Disse-lhe precisava meditar, sobre o assunto e solicitou novo encontro, no mesmo local, para daí a três, ao que ela aquiesceu.
No dia a seguir embarcou no avião para Novo Horizonte e daí, de táxi, dirigiu-se a Nova Lima. Foi mesmo o condutor a dirigir-se à Rua onde morava Mirta, o número da porta tinha Olavo.
Mirta não mostrou qualquer preconceito e franqueou-lhe logo a porta.
Estava a chegar a hora do almoço, só então Olavo, olhando para o relógio reparou.
Fez tensão de se retirar para a refeição, num restaurante de jeito, que encontrasse. No que foi de imediato desencorajado a fazer.
A mulher ofereceria a refeição e juntos, no repasto iriam falado das suas preocupações.
Assim aconteceu! Afinal tratava-se mesmo do Emenson, que dizia namorar há uns tempos, sem saber do seu sério, outro namoro.
Ao saber, a princípio ficou abalada, depois recompôs-se.
Acabado o almoço, convidou Olavo a sentar-se. Serviria Wisque para ambos.
Olavo aquiesceu, desde que posse uma pequena porção.
Não tardou muito que ela não o rodeasse de mimos, foi-o enfeitiçando e ele deixando-se enlear nos laços amorosos que se lhe estendiam.
Depois… depois… era tarde para regressar ao Rio de Janeiro.
Ela, de propósito, tinha-o prendido.
Já não o deixou sair só, convidou-o tomar um café, depois jantaria e dormiria com ela, seria um prazer.
Olavo aceitou, perante a promessa de terminar com Emerson, o que foi aceite.
Contudo, em troca, na próxima ficaria com ele no seu apartamento de Angra dos Reis, e cada vez que ele estivesse lá.
Não, não estava enganada, já sabia que Olavo era casado, mas no Brasil seria a sua querida mulher.
 Mirta era uma mulher encantadora e, muito importante para Olavo, sabia conversar bem e com elegância.

Daniel Costa

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

RIO DE JANEIRO E ANGRA DOS REIS

                        
                               
Foto Internet: NAM - Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro

RIO DE JANEIRO E ANGRA DOS REIS

Agora, Olavo, já se achava, além se sagaz, um investigador muito experimentado.
Tal como sempre previra, ia alargar o seu campo de acção Brasil, Rio de Janeiro e possivelmente, a São Paulo.
Já sempre munido de Notebook, na sua mala, género diplomata. Ao fim e ao cabo, já se tornara diplomata de amores.
Apanhou avião para o Rio de Janeiro, que sempre gostava de conhecer, agora ia acontecer de vez.
Já a viajar na aeronave, veio-lhe ao pensamento a sua querida e amorosa Vera, que fizera sempre tudo por ele.
Numa próxima viagem, seria acompanhado da sua mulher muito amada. Passariam uns dias juntos, em pleno gozo de férias, no lugar onde ficasse.
Ia disposto a criar instalação em local aprazível, dado o estatuto a que se impunha, de investigar mesmo casos de gente abastada que também os havia e de que maneira!
No Brasil, na prática, não há classe média, apenas a ricos iria servir a quem cobraria bons honorários.
Não quer dizer, que excluiria menos abastados, não, mais aí teria em conta o menor poder económico.
Com estas meditações, já estava a chegar ao Rio.
Desembarcou e, apanhado um táxi, dirigiu-ss de imediato, ao hotel Pestana Rio Atlântico, situado próximo da famosa Copacabana, de Lisboa levara a referência.
Ali serenou ímpetos, depois resolveu logo, anunciar a sua presença nos jornais do dia seguinte, com o número do seu celular.
Faria deslocações a todo o grande Brasil se necessário.
Depois, dando uma olhadela pelos bares das proximidades, elegeu o Devassa, para ter os possíveis encontros.
Ficou ali dois dias a adaptar-se o novo fuso horário e a ver no que dariam os anúncios. Como preza bastante os aspectos culturais e monumentais, além de outros, deu uma volta minuciosa pelo NAM – Museu de Arte Moderna do RJ, ficou deveras encantado.
No fim, apanhou um avião que faz careiras para Angra do Reis, que as telenovelas da Globo tornaram famosa, por mostrar as suas paisagens maravilhosas, não apenas no Brasil, mas em países de língua lusa.
Angra dos Reis, faz uma baía com bastantes ilhas, local muito aprazível, frequentada por muitos magnatas, para onde viajam com os seus jactinhos particulares a passarem dias de sonho.
Tal é o edílico local!
Olavo foi instalar-se no hotel do Frade, que lhe recomendaram também.
Alugou um dos bastantes apartamentos, muito bem dotado, especialmente, com TV.
Tratou da instalação de um P.C. a sua providencial ferramenta, que através do notebook, podia estar sempre em contacto.
Depois, contra o que imaginava, logo foi contactado pelo celular,
Uma mulher que disse chamar-se Creusa, sendo a sua cidade Rio de Janeiro.
Marcou-lhe encontro para o dia seguinte, no Rio, no Bar Devassa.
Voltou a mandar inserir os anúncios, agora com o E-Mail do Brasil.

Daniel Costa


segunda-feira, 17 de outubro de 2011

QUEM PASSA POR ALCOBAÇA

                              

QUEM PASSA POR ALCOBAÇA

Estavam a resultar os anúncios que o Olavo mandara inserir na imprensa de Lisboa, assim como os mesmos que aproveitara para a do Porto, por ocasião da sua passagem por aquela cidade.
A partir de um deles, recebera uma chamada telefónica de uma mulher de voz melosa, dizendo que se chamava Clarice.
Propôs um encontro em Lisboa, num lugar acessível, à escolha de Olavo.
Encontro aprazado para o dia seguinte no Centro Comercial Colombo, que já fora tornado, preferencialmente, local de reuniões.
No dia seguinte ali almoçaram ambos e debateram o problema da mulher.
Era dos arredores da cidade de Alcobaça, professora, namorada (amante) de Timóteo, um bancário, casado com a sua colega, Patrícia.
Prometia deixar a mulher, por divórcio, para casar com ela, Clarice.
No entanto o assunto há muito era abordado mas sempre adiado.
Clarice questionava-se já sobre a sinceridade de Timóteo.
Em face do anúncio, ocorreu-lhe uma ideia: encomendar uma investigação!
Foi assim que Olavo, no outro dia estava em sua casa a saber mais pormenores, entretanto já intuíra de que se trataria um daqueles subterfúgios que os homens sabem inventar.
Como os seres elementos eram colegas, talvez expiando-os, fosse fácil aquilatar, por alguém experiente e dotado de sagacidade, como de facto, o investigador se achava ser.
Foi dando, desde logo conselhos, enquanto reparava não estar a ser indiferente à bonita Clarice.
Partiu, no dia seguinte, para a cidade de Alcobaça, ficou de voltar mais tarde a dizer o resultado da observação.
A cidade, dotada como o grandioso mosteiro, erigido pelos monges de Cister, em terras doadas pelo primeiro rei, Dom Afonso Henriques.
De terras bastante férteis, por acção da ordem de Cister, deu-se um grande desenvolvimento agrícola, que ainda persiste.
Tudo isto passara pela mente de Olavo.
Este passou, pela respectiva agência bancária, manteve-se por lá despercebido.
Até que o casal saiu colado, para o almoço, este seguiu-o, à distância, indo almoçar no mesmo restaurante, a ver como ia ser o seu comportamento.
Com os olhar sempre atento, pegou no menu e fez a sua escolha para o seu ritual almoço.
Sempre alerta, não viu nada de discordante entre Timóteo e Patrícia, pelo contrário, pareceu-lhe um casal encantador que se entendia muito bem.
Saíram primeiro e Olavo ficou entregue às suas meditações e consequentes conclusões.
Pensou no que dizer à Clarice!
De facto, ela não podia esperar fazer o seu futuro ao lado de Timóteo, essa era a verdade!
Chegado, de novo a casa da adorável mulher, sua cliente, esta ofereceu-lhe onde se sentar, ficando a seu lado.
Ouvindo-o deu em choramingar, coisa muito de mulheres, na circunstância!
Nisto foi chegando-se mais agarrando-se-lhe.
Olavo, que não pode ver uma mulher chorando, foi acariciando-a com ternura.
Não tardou - estavam definitivamente envolvidos, mais por acção dela.
Acabou deixando conselhos que lhe pareceram bem acatados, mostrava ser uma mulher inteligente e entendeu o que lhe era dito.
De sorte, era uma mulher atraentemente bela e sensual, não teria dificuldade em encontrar homem à altura!

Daniel Costa
Recomendo abrir o link e ouvir até final, para ouvir a maravilhosa voz de Maria de Lurdes Resende, valerá a pena, meus amigos. Um grande bem haja a quem me visita, com a grande cantora que foi apelidada de feia bonita.





quinta-feira, 6 de outubro de 2011

PRIMEIRO REGRESSO

             

O PRIMEIRO REGRESSO

Olavo acordou cedo, como é seu hábito, no entanto já se mourejava no Porto. Tomou o pequeno-almoço enquanto chegou a hora de cumprir o resto da missão, afinal testar o que já se evidenciara, o Hugo com a Rute, configurava uma pura infidelidade conjugal
No entanto depressa rumou, postando-se a ler um jornal com a finalidade de passar mais despercebido.
Primeiro entrou a Rute, logo após o Hugo.
O teste estava feito!
A demora não podia ser muita, a esposa espera-o para jantar.
Porém, desejava visitar uma das melhores livrarias do mundo. Não para adquirir livros, não levava nenhum em mente, até porque ainda tinha vários para ler, mas a Livraria Lello & Irmãos, na Rua das Carmelitas do Porto, é um verdadeiro monumento aos livros.
Televisões e jornais estrangeiros tem-lhe dado destaque em espaços noticiosos.
Depois de visitar a Lello, voltou para Lisboa. Antes porém, projectava fazer um desvio e ir almoçar a Almeirim. Vila do Ribatejo, onde o prato é tradicional a “sopa da pedra”
Olavo, para quem a refeição do almoço era, como que, um ritual, adorava o restaurante “Forno”, onde esse prato era de um requinte digno de um bom “gourmet”.
Escolheu uma mesa e com um sorriso, recordou a lenda da sopa da pedra:

- É assim:
- Em tempos um frade mendicante, passou por ali. Era hora de almoço e dirigiu-se a uma casa abastada, pedindo algo para o seu almoço, o que lhe foi negado.
Trazia um tacho e arranjou uma pedra, que limpou muito bem e disse: vou fazer uma sopa de pedra, fica maravilhosa.
A seguir, pediu um pouco de água para cobrir a pedra. Nisto, os senhores, em vista da sua tranquilidade e já curiosos, cediam a todos os pedidos que foi fazendo: se levasse mais isto, ainda ficaria melhor e assim sucessivamente.
No fim ficou um cozinhado maravilhoso, que deu a provar a todos que o acharam óptimo.
Nasceu da lenda, ou a lenda terá nascido do tradicional facto?
A tradicional “sopa de pedra” em Almeirim e arredores.

Olavo foi fazendo o seu repasto e meditando, no esclarecimento a dar à Magda.
Com outro caso, proveniente de um telefonema que tinha recebido, seguiu viagem. Primeiro ia dirigir-se a casa da cliente, depois passaria ao escritório, ver se haveria E-Mail’s provenientes dos anúncios.
No fim, em casa cairia nos braços da sua amada Vera.
Ao passar por casa de Magda, está indicou-lhe, novamente o sofá e para o ouvir, sentou-se bem juntinho.
Foi ouvindo o que já esperava, se o marido nem o fim-de-semana vinha passar a casa!
Foi sendo cada vez mais sedutoramente sensual, que de novo Olavo, perdeu a resistência e começou a afagá-la, depois ela voltou entregou-se.
Entretanto terminou o inusitado enleio, com as suas bocas coladas e enternecidas!
Depois do que Magda retribuiu principescamente, os honorários ao Olavo, sem perguntas.
Este, com tudo arrumado, depois da passagem pelo escritório, afim de abrir o computador e ver, o correio electrónico, depressa alcançou a sua morada caindo, enfim nos braços da sua adorada Vera.

Daniel Costa