quarta-feira, 28 de setembro de 2011

A VIAGEM AO PORTO

                       
                                
Porto -  aspecto de Magestic (foto Internt)

A VIAGEM AO PORTO

Para percorrer um longo caminho, nada como dar o primeiro passo, meditava Olavo, seguindo para o Porto, não pensado na viagem, propriamente dita, mas sim no novo percurso de investigador que ora iniciava.
Em breve estava a chegar à zona da Bairrada, logo após Coimbra, com inúmeros restaurantes, a servir o famoso leitão assado no espeto em fornos de lenha.
Ali se pode comer o melhor leitão do mundo, basta dizer que o animal é apenas criado até um certo peso, depois com as suas vísceras e sangue com picante, a servir de molho, para temperar o prato na mesa a gosto.
Prato que acompanhado com o magnifico vinho verde da região, é uma das jóias da culinária portuguesa.
Foi num desses restaurantes, que Olavo almoçou, um homem com o prazer da mesa, para ele um ritual.
Logo após, sempre imaginativo, seguiu viagem, absorto nos seus pensamentos.
Depressa chegava ao Porto, cidade muito sua conhecida.
Havia de aproveitar bem o tempo, não só directamente, no que o levara ali, mas também para rever algumas belezas da cidade.
Estacionou o carro num parque estratégico, afim de apenas o utilizar de regresso.
Dali, subindo a bonita Rua 31 de Janeiro, ao cimo cortou à esquerda, para a grande Rua de Santa Catarina, onde se encontra delegação que queria fixar.
Depois tomou um “cimbalino” (café no Porto) no famoso Magestic, de velha tradição, onde iria começar.
Pareceu-lhe provável ser ali que iria encontrar Hugo, objecto da sua investigação.
Segundo pensou, seria cedo para encontrar o passarão.
Contava vigiá-lo desde a sua saída da empresa e ser seu “guarda-costas” muito discreto.
Desceu a dar uma mirada pela Avenida dos Aliados e a decantada e famosa Torre dos do Clérigos.
Chegou a hora calculada para subir de novo a Rua de Santa Catarina, à altura de ficar de “plantão” a ver as saídas.
Até que Hugo saiu e como Olavo tinha previsto, encaminhou-se logo para o Magestic.
Sentou-se numa mesa já ocupada por uma senhora.
Ali ficaram ambos em jeito de intimidade, a dar mostra inequívoca de arranjinho.
Com o seu celular e discretamente, dando ares de com ele brincar, bateu duas fotos com os pombinhos.
Dali saíram ambos para o hotel, onde Hugo estaria hospedado.
No dia seguinte conferiria se sairiam juntos.
Não dando o dia por terminado, voltou ao Magestic, escolheu uma mesa servida pelo mesmo empregado, a quem gratificara principescamente.
Pediu uma francesinha, um prato típico, em jeito de lauta sandes confeccionada com bons e vários ingredientes.
A seguir a ser servido, fez perguntas sobre aquele casalinho.
Soube que o senhor doutor Hugo, quando ia ao Porto, era “habituê” da casa, invariavelmente, acompanhado por Rute, empregada na empresa.
Assim ficou na posse dos dados que lhe interessavam.
Visitou, depois, um seu amigo de longa data, o Emanuel, que decerto lhe ofereceria, como era seu hábito, um cálice de Vinho do Porto da sua própria garrafeira.
Assim aconteceu, o amigo sacou de uma garrafa daquele verdadeiro néctar, de 37 anos – “Old Porto Wine”, como diriam os Ingleses.
Como era saboroso, degustado, num cálice de cristal! …
Antes de o saborear, primeiramente abanou o cálice, para melhor sentir o seu odor aromático.
Como apreciador, foi conversando e repetindo a operação.
Um pouco de Vinho do Porto deu para acompanhar uma salutar conversa, como sempre acontecia.
Depois, agradeceu e despediu-se, ainda tinha de procurar hotel onde dormiria nessa noite.
Depois faria um telefonema à sua querida mulher Vera.
No dia seguinte, procederia a uma confirmação dos dados apurados, para dar por finda a investigação.

Daniel Costa

sábado, 24 de setembro de 2011

ENCONTRO PORTUITO

                               
Agência Lusa

ENCONTRO FORTUITO

Depois de equacionar o problema do local, Olavo alugou, em Lisboa, uma sala junto à Agência Portuguesa de Notícias LUSA. Muito perto está um dos maiores centros comerciais da Europa, o Colombo.
O Centro Comercial Colombo, na sua espectacular grandeza, é como uma cidade coberta, composto de ruas e praças com nomes alusivos aos descobrimentos.
Por essas pode assistir-se diariamente a um verdadeiro desfile de beldades alfacinhas (Lisboetas).
Já com a sala equipada a seu jeito, Olavo resolveu ir tomar café ao Colombo, era hora de ponta, os muitos e pequenos cafés ali existentes em fila, estavam com os balcões apinhados de gente, o mesmo acontecia nas suas, respectivas, mesas que se situam fora, com uma óptima visão de parte dos andares por debaixo.
Olavo, disposto a fazer ali uma pausa e meditar no que havia a orientar ainda, como nos pequenos anúncios a inserir em jornais da capital, etc.
Não encontrava mesa disponível.
Nisto, repara numa mulher bastante atraente, até pela sensualidade cativante de que dava mostras.
- Estava só!
Pediu-lhe licença para se sentar a tomar o seu café. A mulher, num sorriso acenou que sim.
Ao fim de minutos, tinham entabulado uma agradável conversa.
Olavo que já só pensava, na nova empresa, de investigador que criara, não tardou que a mencionasse.
Nisto, parece ter-se feito luz no olhar da mulher.
Sem mais rodeios, disse:
- Quer iniciar com um caso que me tem dado que pensar?
Olavo, como que impulsionado, disse logo:
- Adoraria!...
Ela começou de imediato a debitar pormenores; tratava-se do marido, que sendo gestor de determinada empresa deslocava-se variadíssimas vezes a uma delegação do Porto, onde permanecia, invariavelmente duas semanas.
Nesta altura, a mulher, Magda de seu nome, já se mostrara carente e ficou combinado no dia seguinte ele passar por sua casa, onde receberia mais instruções, depois partiria logo a resolver a questão.
Ela desconfiava de infidelidade e queria ter a certeza.
No dia seguinte, logo cedo estavam reunidos ambos, numa sala da casa de Magda, sem dúvida, decorada com gosto.
Ela indicou-lhe o sofá, os seus olhos olhavam o homem e faiscavam de desejo.
Em pouco ele era, carinhosamente, acariciado.
Desencorajar não, mas como fazer?
Deixou-se enlevar, saboreando, aqueles doces momentos.
Tudo foi esquecido, em pouco estava, como que hipnotizado, pelo que se lhe oferecia e saciou-a até à exaustão.
Depois calmamente voltaram à conversa sobre o assunto que o levara ali, acertaram pormenores, o resto seria de conta da astúcia de Olavo.
Ficara a saber onde se localizava a delegação. A partir dali iniciaria a investigação e rodou a caminho da cidade do Porto.

Daniel Costa


sábado, 17 de setembro de 2011

SITUAÇÃO DE DESEMPREGO

                               
SITUAÇÃO DE DESEMPREGO

Olavo é um homem de estatura mediana, tez morena, feições atraentes, não muito expansivo mas sempre sorridente. Porém de muita seriedade no trato, um bom interlocutor, ao conversar com ele, depressa se depreende ter na frente alguém em quem pode confiar.
Era assim que Olavo, juntava a essa qualidade, outras importantes e adjacentes, como uma enorme sagacidade, firmeza de carácter e, sobretudo honestidade e versatilidade.
Embora se dedicasse a um tipo de jornalismo especializado, como amador, nunca deixara de ter emprego. Teve vários no campo das artes gráficas e editorias, em que acabou por se especializar, na parte comercial de relações públicas.
Até que, pelas mudanças na sociedade, no que seria o último emprego por conta de outrem, a que tivera acesso e onde se achava realizado, chegou a vias de falência. O vencimento deixou de ser certo.
Tentou dedicar-se mais, à menina bonita dos seus olhos, a revista, viu que não daria assim. Não procurou novo lugar em empresa diferente. Afinal nenhuma empresa merecia a sua capacidade de trabalho.
Foi meditando e avaliando a situação. Até que concluiu por uma situação que a sua sagacidade, já em tempos lhe ditara: dedicar-se à investigação particular, em especial a infidelidades conjugais!
Para isso teria de ter uma conversa muito séria com a sua adorável esposa Vera, dado que poderia ter de haver, factos a ferir a sua sensibilidade de mulher.
Foi assim que ao jantar, ambos equacionavam o assunto. Escutando calada. Por fim, Vera disse que a sagacidade do marido, augurava uma feliz opção, ela sempre muito cordata e conhecedora das mentalidades femininas, estaria sempre do seu lado, ainda que sabendo as provações que, fatalmente, teria de passar.
E assim ficou assente por ela, o seu amado Olavo, seria investigador.
Por sua vez, Olavo deu-lhe conta de como iria agir. Sempre só, estabeleceria, bases em Lisboa, Rio de Janeiro e São Paulo. Nestas últimas cidades, procuraria estabelecer contactos com os seus velhos amigos. Os que faziam o favor de o ser, através da sua revista que não terminaria, apenas sofreria alterações de periodicidade.
No dia seguinte, encetaria a procura de alugar uma pequena sala num lugar da Lisboa moderna, onde aporia na porta apenas STOP SECRET, equipada com computador para anotar os dados de cada futuro cliente. Como telefone, usaria sómente o celular.
A seguir mandaria inserir, alguns anúncios discretos em jornais.
Daniel Costa


terça-feira, 13 de setembro de 2011

INICIO TOP SECRET OLAVO

INÍCIO - TOP SECRET OLAVO 13/09/2011