sábado, 25 de setembro de 2010

AMOR NA GUERRA

FORMALIZAÇÃO

AMOR NA GUERRA, ESTANDO JÁ EM PROCESSO DE EDIÇÃO, ONTEM, DIA 24/09/2010, COM A ASSINATURA DE CONTRATO ENTRE A REPRESENTANTE DA EDITORA ALFARROBA E O AUTOR FICOU OFICILIZADA A EDIÇÃO.
A OBRA, POSSIVELMENTE, AINDA SERÁ LANÇADA ESTE ANO DE 2010, SEGUNDO PALAVRAS DA RESPONSÁVEL EDITORIAL, QUE MOSTROU BASTANTE INTERESSE NA EDIÇÃO.

NO FIM OS DOIS AUTORGANTES DEIXARAM-SE FOTOGRAFAR.

Daniel Costa

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

AMOR NA GUERRA


CONTRACAPA

Só com a chegada de oficiais de Cavalaria, ao Regimento, em Estremoz, em Agosto de 1961, sob o comando do, então Tenente-Coronel Spínola, a formar o Batalhão 345, onde Daniel Costa foi incorporado, este ficou com a certeza da sua mobilização para a Guerra do Ultramar.
Logo aí o autor decidiu anotar diariamente todas as incidências porque passasse em campanha, com vista a editar um futuro livro baseado na vida de caserna, visto que pertencia à classe de Praças.
Depois de algum tempo a pertencer àquele batalhão, no Esquadrão 297, numa reviravolta por motivos, diria falta de organização nas secretarias militares, daqueles tempos conturbados, O 297 avançou, adido, para o quartel de Faro, onde ficaria, a aguardar embarque e a substituir um outro ali colocado, cujo comandante reivindicou procedência, como lhe competia.
Em 11 de Janeiro de 1962, partindo já de Faro o 297 foi juntar-se, no cais da Rocha Conde de Óbidos, ao Batalhão 350, comandado pelo franzino, Tenente-Coronel Costa Gomes (irmão do que foi, mais tarde, presidente da República Portuguesa), ali se embarcou para Angola.
Sempre o diário foi acarinhado, apesar do autor deste livro ter sido jornalista e editor de uma revista mensal, cerca de 30 anos, ou por isso, nunca tinha havido tempo para concretizar a compilação e edição.
Deve ser aqui evocado o Sargento Pinedo, que sempre distinguiu o autor, apesar de ser em homenagem póstuma. Além de várias provas de apreço, dele partiu a indicação para a substituição do lugar do Sargento que dirigia o rancho, lugar de especialista com essa classe militar inerente.
Deve ficar aqui uma referência ao General João Ramiro Alves Ribeiro, também a título póstumo, que comandou o Esquadrão 297, como Capitão, pelo apreço do seu profissionalismo como comandante militar.

AMOR NA GUERRA está em edição, este post é tal como irá figurar na capa do livro.

Daniel Costa